José Manuel Pimenta destaca importância da sustentabilidade, da inclusão e justiça social

Lisboa, 28 set 2021 (Ecclesia) – O responsável pelo Departamento do Turismo no Patriarcado de Lisboa disse que a “atividade turística está a recuperar”, depois da paragem forçada por causa da pandemia Covid-19, e destacou a importância da sustentabilidade, inclusão e da justiça social.

“A dimensão da sustentabilidade e a sua dimensão inclusiva tem marcado a nossa ação em duas dimensões muito concretas: Temos tentado que todas as nossas ações colaborem com as diversas entidades da cidade de Lisboa, públicas e privadas, e temos tentado também ser uma ponte de resposta para vários guias-intérpretes, muitos deles com formação e especialização na área religiosa e no turismo religioso”, referiu à Agência ECCLESIA José Manuel Pimenta.

O entrevistado indica que, através de boas práticas, e com entidades públicas, como o Município de Lisboa e a Santa Casa da Misericórdia, trabalham para “conseguir superar problemas e a exploração que existia no mercado turístico”, como com os guias-intérpretes, na criação de itinerários e a pagar o “preço justo”.

José Manuel Pimenta destaca que o Dicastério para o Desenvolvimento Humano Integral (Santa Sé) na mensagem para o Dia Mundial do Turismo 2021, que se assinalou esta segunda-feira, lembra que “há uma pessoa, há pessoas” para além dos números, dos estudos, das percentagens e das taxas de ocupação.

O Patriarcado de Lisboa tem procurado para que cada turista que chega à capital portuguesa, “mesmo que não seja católico”, se sinta incluído dentro das propostas que apresentam, “sem nunca perder a matriz cristã e católica”.

Na entrevista realizada no Miradouro das Portas do Sol, em Lisboa, o responsável pelo Departamento do Turismo no Patriarcado de Lisboa dá conta que a atividade turística na capital portuguesa “está outra vez a recuperar”, depois das limitações da pandemia Covid-19, “muitas igrejas estão a abrir portas” e o turismo religioso está a regressar.

“É muito interessante na igreja de Santo António vários grupos de peregrinos a fazerem a marcação para celebrar a Missa. Há mais de um ano que não tinha grupos de peregrinos a pedir para celebrar lá”, exemplificou.

O setor do turismo do Patriarcado de Lisboa dinamiza o projeto ‘Quo Vadis’, há mais de seis anos, disponibilizando diversas informações, rotas, itinerários e visitas guiadas, para além de permitir aos turistas organizar o seu percurso, no sítio online ou na app (aplicação) do projeto.

“Vemos um grande aumento na procura de informação através da nossa plataforma procurando fazer a próprias rotas e conhecendo, e isso faz com que quem chega seja de avião, nos cruzeiros, seja de comboio possa voltar a tentar conhecer, descobrir esta cidade de Lisboa e a sua fé”, desenvolveu o convidado de hoje no Programa ECCLESIA, na RTP2.

José Manuel Pimenta recorda que a pandemia Covid-19 trouxe também “pinceladas ou sinais de individualismo” e querem utilizar a Pastoral do Turismo para “lutar contra esta tentação do individualismo”, através de várias propostas, como ter as igrejas abertas e que “quem visita se sinta bem acolhido”.

“Depois, todo este acolhimento tem de ser sustentado com propostas que levem o turista a não se fechar, mas a perceber, mergulhar, entrar dentro desta realidade que são as comunidades católicas, que as igrejas para além de espaços incríveis de arte e de fé são também o coração de uma comunidade”, salientou.

‘Turismo para um crescimento inclusivo’ foi o tema escolhido pela ONU para o Dia Mundial do Turismo 2021, que se comemora anualmente a 27 de setembro.

HM/CB/OC

 

Portugal: Obra da Pastoral do Turismo quer «trabalhar com todos» para que «crescimento não exclua ninguém»

Partilhar:
Share