Nova comunidade cristã vai nascer no norte da cidade

Coimbra, 10 set 2020 (Ecclesia) – O responsável pela Reitoria do Imaculado Coração de Maria, em Coimbra, disse hoje à Agência ECCLESIA  que “a criação de uma comunidade cristã hoje e edificar uma igreja é um ato de coragem”. 

Foto Google Maps

“Esta criação de uma comunidade vem a contra ciclo, também aqui na diocese onde se vê a aglutinação das paroquias, união de recursos, e por isso criar uma comunidade cristã hoje e edificar uma igreja é um ato de coragem de toda a comunidade, do próprio bispo e de toda a diocese”, referiu o padre Francisco Claro.

D. Virgílio Antunes vai assinar o decreto de criação numa Eucaristia campal, a celebrar no terreno da “futura igreja do Loreto”, pelas 11h00 deste domingo.

A nova reitoria compreende as antigas capelanias anexas na zona norte da Paróquia de Santa Cruz de Coimbra (Loreto, Brinca e Monte Formoso), agora desvinculadas desta paróquia e constituídas em Quase-Paróquia.

Segundo o padre Francisco Claro, há cerca de três décadas que a comunidade “pensava, refletia e agia” para que este dia pudesse acontecer e o sacerdote uniu-se a este “entusiasmo” há dois anos. 

Este não é o fim, mas o início de uma nova e decisiva etapa, é um degrau para que a paróquia possa vir a ser reconhecida, depois pretende-se lançar mãos à obra e dotar de infraestruturas necessárias à missão pastoral”.

Ordenado há dois anos, o padre Francisco Claro é vigário paroquial da Igreja de Santa Cruz, na diocese de Coimbra, da qual pertence esta capelania no norte da cidade que passará a ser reitoria no próximo domingo, numa “área construída há cerca de 40 anos, que passou por ser tecido empresarial e industrial mas que com a recessão se estigmatizou” . 

“De há uns anos para cá tem havido um ressurgimento que vem animando esta zona, numa área onde residem entre 15 a 20 mil pessoas; do ponto de vista social e económico, é a área mais deprimida da cidade de Coimbra”, aponta.

O padre Francisco Claro foi sentindo o entusiasmo de toda a comunidade numa “missão incomum” que lhe foi confiada e limitou-se a “soprar nas brasas”.

“Vi a comunidade cristã muito motivada e empenhada e estes dois anos foi para “soprar nas brasas”, a comunidade tem crescido, começam-se a mobilizar novos grupos de jovens e de iniciação à fé cristã e ali sinto-me como colaborador e enviado do bispo”, explica. 

Os dias 12 e 13 de setembro são de festa nesta zona de Coimbra com a criação da nova reitoria mas também com uma visita especial.

“É com muita alegria que vamos receber esta imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima, apesar de ser uma ‘visita de médico’: chega no dia 12 à noite e vai embora no dia a seguir, pelas 13h00. Quisemos aproveitar a visita ao segundo e teremos uma vigília toda a noite animada por grupos de catequese, de jovens, curso alpha, escuteiros”, conta.

Na Missa deste domingo, presidida pelo bispo de Coimbra, vão ser crismados 18 jovens e será lida a carta do Papa Francisco enviada à nova comunidade.

D. Virgílio Antunes já mostrou a sua alegria, falando num “dia muito feliz” e apontando que esta comunidade terá uma “responsabilidade maior”.

SN

Partilhar:
Share