Francisco convida católicos a maior proximidade com a Bíblia e deixa desafio de ler Evangelho segundo São Lucas durante este ano

Cidade do Vaticano, 23 jan 2022 (Ecclesia) – O Papa criticou hoje homilias “abstratas”, que “adormecem a alma”, pedindo uma maior atenção à realidade concreta.

“Às vezes, acontece que as nossas pregações e ensinamentos permanecem genéricos, abstratos, não tocam a alma e a vida das pessoas. Porquê? Porque não têm a força deste hoje que Jesus preenche de significado com o poder do Espírito”, referiu, após a recitação do ângelus.

Falando a respeito da celebração do Domingo da Palavra, que a Igreja Católica assinala hoje em todo o mundo, Francisco falou de “palestras impecáveis, discursos bem construídos, mas que não comovem o coração e, assim, tudo fica como antes”.

“A pregação corre este risco: sem a unção do Espírito, empobrece-se a Palavra de Deus, cai-se em moralismos e conceitos abstratos, apresenta-se o Evangelho com distância, como se estivesse fora do tempo, distante da realidade”, advertiu.

Perante milhares de peregrinos reunidos na Praça de São Pedro, o Papa falou do início da pregação de Jesus, em Nazaré, onde cresceu, e da primeira palavra que proferiu, “hoje”.

“Os concidadãos de Jesus ficam impressionados com sua palavra. Mesmo que, obscurecidos por preconceitos, não acreditem nele, percebem que o seu ensino é diferente do de outros mestres: intuem que há mais em Jesus”, observou, falando da “unção do Espírito Santo”.

“Uma palavra em que não há pulsar a força de hoje não é digna de Jesus e não ajuda a vida das pessoas. Por isso, quem prega, por favor, é o primeiro a ter de experimentar o hoje de Jesus, para poder comunicá-lo no hoje dos outros”, acrescentou.

O Papa agradeceu depois a “todos os pregadores e arautos do Evangelho que permanecem fiéis à Palavra que sacode o coração”.

A intervenção deixou um desafio particular aos católicos: “Nos domingos deste ano litúrgico é proclamado o Evangelho de Lucas, o Evangelho da misericórdia. Por que não lê-lo pessoalmente, todo, uma pequena passagem a cada dia?”.

Francisco renovou o seu conselho de ter no bolso ou na mala uma cópia dos Evangelhos, para os ler regularmente.

“A Palavra de Deus é também o farol que orienta o caminho sinodal lançado em toda a Igreja. Enquanto nos esforçamos para ouvir uns aos outros, com atenção e discernimento, – porque não é um inquérito de opinião, não – ouçamos juntos a Palavra de Deus e o Espírito Santo”, prosseguiu.

Após a oração, Francisco recordou a proclamação de Santo Irineu (séc. II-III) como doutor da Igreja, com o título de ‘Doctor unitatis’, “doutor da unidade”, colocando esta decisão no contexto da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos.

“Que, por sua intercessão, o Senhor nos permita trabalhar, todos juntos, pela plena unidade dos cristãos”, concluiu.

OC

 

Vaticano: Papa destacou importância da Bíblia e criticou políticos que a manipulam, em celebração inédita

 

 

 

Partilhar:
Share