«Garantir um mundo mais justo, mais digno e sustentável» é necessidade cada vez mais premente

Lisboa, 27 nov 2017 (Ecclesia) – A Fundação Fé e Cooperação (FEC), da Igreja Católica em Portugal, apresentou um estudo que sublinha a interligações dos conceitos de  Migrações e Desenvolvimento, realizado no âmbito do projeto ‘coerência.pt’.

“Garantir um mundo mais justo, mais digno e sustentável é mais do que nunca uma exigência da comunidade internacional e nacional”, escreve Patrícia Magalhães Ferreira, a autora do documento.

O estudo ‘Migrações e Desenvolvimento’ está dividido em três capítulos e começa por apresentar “alguns” dos factos, dados e tendências mais recentes sobre migrações, ao nível global, europeu e nacional.

Segundo a autora, numa altura em que o tema assume “grande pertinência nas agendas políticas e mediáticas” desfazem-se algumas confusões e “desmontam-se” alguns dos mitos associados à relação entre migrações e desenvolvimento, e no segundo capítulo estabelece “uma ligação clara entre os dois temas”.

No terceiro e último capítulo são referidas políticas sobre o tema do estudo “sempre” na ótica do nexo migrações-desenvolvimento onde são analisadas em particular as políticas da União Europeia, “incluindo também os refugiados, dado a relevância dos fluxos recentes”.

Para diversificar as perspetivas e “enriquecer a análise” são publicadas também entrevistas e artigos de autores convidados na última parte do estudo.

“É necessário que as políticas públicas sobre migrações, as alterações climáticas, o comércio, a segurança ou a soberania alimentar contribuam para uma transformação efetiva e para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”, escreve Patrícia Magalhães Ferreira.

Portugal “continua” a ser maioritariamente um país de emigração e é considerado internacionalmente “um exemplo no acolhimento de refugiados e integração de imigrantes”, mas a ligação entre migrações e desenvolvimento “pode ser reforçada a vários níveis”.

Para a autora de ‘Migrações e Desenvolvimento’, “poderá ser superficial em muitos dos assuntos abordados”, por isso sugere igualmente outras leituras, vários links úteis e uma extensa bibliografia para aprofundamento do tema.

O documento foi apresentado na conferência anual da Comissão Nacional Justiça e Paz, este ano sobre ‘Muros e pontes: Europa, Migrações e Diálogo de Culturas’, realizada este sábado, no Centro Cultural Franciscano, em Lisboa.

CB/OC

Partilhar:
Share