«Tivemos pais que se gastaram por nós e, se reconhecermos isto, então a palavra ‘velha’ deixa de ser ofensiva» – D. Anacleto Oliveira

Viana do Castelo, 09 jul 2019 (Ecclesia) – O bispo de Viana do Castelo afirmou que “o que conta no mundo é aquilo que rende” e alertou para “uma mentalidade perigosa” onde o “velho só dá despesa”, no Santuário de Nossa Senhora da Conceição do Minho.

“O velho só dá despesa, já a criança está melhor, porque um dia começará a render e, isto, é uma mentalidade perigosa que tem consequências práticas”, disse D. Anacleto Oliveira, este domingo, na peregrinação diocesana ao alto da Serra D’ Arga.

Na informação enviada à Agência ECCLESIA, pela Diocese de Viana do Castelo, o bispo na homilia apelou a uma mudança de linguagem e explicou que foi “ver o significado da palavra ‘senhora’” e “qual o espanto” quando reparou que “na origem desta palavra está sénior, do latim”.

“Sénior significa velho. Como é que chamar senhor ou senhora a alguém é sinal de respeito e, quando substituímos a palavra por um sinónimo, é sinal de desrespeito na mentalidade das pessoas?”, observou.

No Santuário de Nossa Senhora da Conceição do Minho, D. Anacleto Oliveira salientou que “a linguagem exprime aquilo que se faz com as palavras”: “Com «senhor», tornámo-la desprezível aos olhos de todos; O que conta no nosso mundo é aquilo que rende”.

O bispo de Viana lembrou que o Papa Francisco aconselha os jovens “muito frequentemente” aprenderem “com os pais e avós, porque eles têm a sabedoria que é tão preciosa” na vida deles.

“Nós somos o que somos, porque tivemos pais que se gastaram por nós e, se reconhecermos isto, então a palavra velha deixa de ser ofensiva”, afirmou o bispo,

Neste contexto, na sua homilia, inspirou-se em Jesus, que “é proteção e, acima de tudo, é força, que faz emendar a mentalidade, em Santa Maria Nossa Senhora do Minho que “é mãe e ser mãe é o que torna uma mulher senhora” e o próprio “é dar-se a todos os seus filhos”, e São Bartolomeu dos Mártires que foi proclamado pelo Papa como “modelo de santidade para todo o mundo”, no sábado.

A peregrinação diocesana ao Santuário de Nossa Senhora da Conceição do Minho, no alto da Serra D’ Arga, é uma tradição que remonta a 1955.

“A peregrinação tem três fases: a imagem de Nossa Senhora sai do santuário até à primeira paróquia de um arciprestado do concelho de Viana do Castelo, segue pelas paróquias e termina onde partiu, no alto da Serra D’Arga”, explicou o vigário geral, monsenhor Sebastião Ferreira, ao jornal ‘Notícias de Viana’.

Este ano, a imagem da Senhora do Minho percorreu as paróquias do Arciprestado de Caminha e este domingo saiu da igreja matriz até à Serra D’ Arga, e o percurso foi feito num antigo carro de bombeiros, com os batedores da Guarda Nacional Republicana.

A peregrinação ao Santuário de Nossa Senhora da Conceição do Minho realiza-se no primeiro domingo de julho reunindo peregrinos do Concelho de Viana do Castelo e emigrantes e, em 2020, vai ter lugar no dia 5 de julho.

CB/

Partilhar:
Share