Padre Carlos Cabecinhas destacou «mensagem de esperança e de ânimo» do Santuário de Fátima

Fátima, 28 nov 2020 (Ecclesia) – O reitor do Santuário de Fátima disse hoje que começam “um novo triénio” que “tem como horizonte” a Jornada Mundial da Juventude 2023, em Lisboa, e destacou, no contexto da pandemia, que têm uma mensagem “de esperança e de ânimo”.

“Todos temos consciência de que o próximo ano será ainda profundamente marcado pela situação pandémica e que enfrentaremos muitas dificuldades, aos mais diversos níveis. Mas acreditamos que a mensagem de Fátima é mensagem de esperança e de ânimo”, referiu o padre Carlos Cabecinhas na sessão online de apresentação do novo Ano Pastoral 2020/2021.

O reitor do santuário mariano observou que a “situação imprevista, emergente da pandemia”, constitui um “profundo desafio pastoral que pede para ser globalmente considerado na vida e na ação do santuário”.

“É importante também apresentar a mensagem de Fátima como expressão da solicitude de Deus para com a humanidade em sofrimento. Na medida em que a mensagem de Fátima convida a intensificar a experiência de encontro com Deus, implica, necessariamente, o testemunho cristão e a disponibilidade de partir para a missão”, desenvolveu.

‘Como Maria, portadores da alegria e do amor” é o título e tema do “novo triénio” no Santuário de Fátima que “tem como horizonte a realização das Jornadas Mundiais da Juventude de 2023” (JMJ), uma edição internacional em Lisboa.

“Este tema inclui o elemento mariano, próprio deste santuário, a dimensão de missão, de saída, e a alegria e o amor como conteúdos do Evangelho de Jesus”, salientou o reitor.

O padre Carlos Cabecinhas explicou que acolheram os temas propostos pelo Papa Francisco para os anos de preparação da JMJ para estarem “plenamente sintonizados com o itinerário de preparação”, mas também porque permitem refletir sobre “as características do tempo presente, que impelem a olhar os anos deste triénio, e o seu primeiro ano em particular, como configuradoras das opções pastorais do Santuário de Fátima”.

O santuário definiu cinco objetivos globais para o triénio e o horizonte comum a todos é “a tentativa de discernir os desafios novos à interpretação e proposta da mensagem de Fátima emergentes da atual situação cultural e económico-social gerada pela pandemia”, e o “desejo de sintonizar” o santuário com o processo de preparação da JMJ.

No atual ano pastoral 2020-2021, o santuário da Cova da Iria vai ter como tema ‘Louvai o Senhor, que levanta os fracos’ e pretende focar a atenção na “fragilidade, propondo a significação que a fé cristã e a mensagem de Fátima em particular”.

‘Levanta-te! És testemunha do que viste’ é o tema do ano pastoral 2021-2022, e vão centrar-se “na experiência de encontro com Deus, verdadeiramente central na mensagem de Fátima”, e no ano das JMJ Lisboa 2023 pretendem “aprender do exemplo de Maria a urgência de testemunhar e anunciar a fé e pedir a sua intercessão” e escolheram o mesmo tema do encontro internacional, ’Maria levantou-se e partiu apressadamente’.

O reitor do Santuário de Fátima destacou que para a vivência do “novo ciclo pastoral de três anos e deste ano pastoral” preparam material de apoio como, uma catequese alusiva ao tema nos painéis nas alamedas do recinto de oração, um itinerário orante como proposta aos peregrinos, “ao nível da formação e da reflexão” pretendem realizar o Simpósio Teológico-Pastoral e prepararam também um “ciclo de encontros na Basílica de Nossa Senhora do Rosário” e vão procurar “valorizar” o seu “grande órgão”.

Na manhã deste sábado, o padre Carlos Cabecinhas inaugurou a nova exposição do Museu do Santuário de Fátima sobre ‘Os rostos de Fátima – fisionomias de uma paisagem espiritual’, que vai abrir ao público no dia 2 de dezembro e pode ser visitada até a 15 de outubro 2022, no Convivium de Santo Agostinho, no piso inferior da Basílica da Santíssima Trindade.

CB

 

Igreja/Cultura: Exposição mostra os «Rostos de Fátima» sem máscara (c/fotos)

Partilhar:
Share