Padre Carlos Cabecinhas presidiu à Missa da Solenidade da Assunção, apresentando Maria como «refúgio» nas dificuldades da vida

Fátima, 16 ago 2022 (Ecclesia) – O reitor do Santuário de Fátima presidiu esta segunda-feira à Missa da Solenidade da Assunção, pedindo orações pela paz e pela Igreja, “abalada” pelos casos de abusos de menores

“Confiamos-lhe [à Virgem Maria] as nossas súplicas por nós; pela paz no mundo, sobretudo na Ucrânia, e pelas vítimas da guerra; pedimos-lhe pela Igreja, com as dificuldades que enfrenta, na sua missão, mas também abalada pela questão dolorosa dos abusos de menores… confiando ao seu cuidado materno as vítimas”, disse o padre Carlos Cabecinhas, numa intervenção divulgada pela instituição.

O responsável católico falava perante os milhares de peregrinos que participaram na Missa desta solenidade litúrgica, incluindo grupos da Alemanha, Itália, Bélgica, Espanha, Senegal e Costa do Marfim, além do grupo de voluntários vigilantes e sacristães do Santuário.

“Celebrar a Assunção é experimentar esta mesma alegria, que brota da certeza da presença misericordiosa de Deus nas nossas vidas” afirmou o sacerdote.

“Deus faz-Se presente de muitos modos na vida de cada um de nós. Com Maria aprendemos a estar atentos a essa presença e a alegrarmo-nos porque Deus não nos abandona”, acrescentou o padre Carlos Cabecinhas.

Ao celebrarmos a Assunção, confiamos a Maria tudo o que nos preocupa e aflige, pois Ela, aqui em Fátima, se apresentou como nosso refúgio nas dificuldades da vida”.

O reitor do Santuário observou que, em circunstâncias de dificuldades, as pessoas acabam por se fixar nos problemas e “incapazes de reconhecer o que Deus, em cada dia, concede”.

“Caros peregrinos, celebremos em festa a Assunção de Nossa Senhora. Que este dia seja de alegria, de ação de graças, mas também de esperança renovada, porque Deus continua a fazer maravilhas por Maria, em nosso favor”, concluiu.

OC

Partilhar:
Share