D. Nuno Brás deixou mensagem de esperança e evocou vítimas de queda de árvore, em 2017

Funchal, Madeira, 15 ago 2022 (Ecclesia) – Milhares de pessoas participam esta segunda-feira na festa de Nossa Senhora do Monte, padroeira da cidade e Diocese do Funchal, numa celebração presidida pelo bispo local, D. Nuno Brás.

“A solenidade que hoje celebramos, a Assunção de Nossa Senhora ao Céu, mostra que sim: é possível a esperança”, disse o responsável aos participantes na celebração, após sublinhar o impacto da pandemia, da guerra e do aumento do custo de vida.

Numa homilia citada pelo ‘Jornal da Madeira’, o bispo do Funchal apontou a vários “sintomas duma diminuição do humano e da sua dignidade”.

D. Nuno Brás dedicou a sua reflexão à esperança, “possível não como um sonho ou uma ideia, nem sequer como um sentimento”.

“É possível porque a Virgem Maria deu carne ao Deus connosco; deu carne ao falar, ao agir, à pessoa de Deus; ao amor divino em abundância que é Jesus de Nazaré”, precisou.

Não estamos abandonados às nossas forças humanas que são fracas; não estamos votados à nossa sabedoria humana, que é pequena, ainda que orgulhosa; não estamos condenados aos nossos sentimentos, sempre manchados pelo egoísmo”.

A festa em honra de Nossa Senhora do Monte, cuja devoção remonta a finais do século XV, decorre na igreja homónima, numa das zonas altas do Funchal, no mesmo local onde foi construída uma capela dedicada a Nossa Senhora da Encarnação, em 1470.

A imagem de Nossa Senhora, considerada milagrosa, foi para a Catedral, voltando para a nova igreja a 14 de junho de 1747, local que se tornou o ponto de peregrinação mais importante da Ilha da Madeira.

Numa capela lado lateral está o túmulo do Beato Carlos de Áustria (Imperador Carlos de Habsburgo) beatificado pelo Papa João Paulo II em outubro de 2004.

“É possível a esperança. E não é um sonho vão. Mostram-no os santos, aqueles que — como o Beato Carlos de Áustria, cujo corpo é venerado e guardado nesta Igreja do Monte — se foram deixando transformar, moldar, ainda que no seio dos maiores sofrimentos”, disse D. Nuno Brás.

A celebração contou com representações das entidades civis e militares da região.

“Por intercessão de Nossa Senhora do Monte, peçamos ao Senhor — para nós e para o mundo inteiro — a graça de crescermos, à semelhança da Virgem Maria, na virtude da esperança, na certeza de que o Céu, a vida com Deus e em Deus, é o nosso destino”, concluiu o responsável católico.

O bispo do Funchal esteve, antes da Missa, no Largo da Fonte, para recordar as vítimas da queda de uma árvore, em 2017.

OC

 

Partilhar:
Share