Arquidiocese viveu Peregrinação Diocesana das Famílias ao Santuário de Vila Viçosa

Évora, 25 mai 2019 (Ecclesia) – O Santuário de Vila Viçosa acolheu este sábado a peregrinação diocesana das famílias e os arcebispo de Évora disse que a família é um “património da Humanidade”.

“Ser família cristã é ser profética, uma alternativa ao mundo que nós percebemos que faz opções, faz escolhas, que são auto destrutivas. A família é um berço natural, com um valor insubstituível, é um património da humanidade”, disse D. Francisco Senra Coelho.

O prelado lembrou ainda a desertificação do Alentejo e a valorização que tem de ser feita à família para que ali continue a haver futuro.

“Ao promovermos este dia, que queremos que se torne tradição na nossa diocese, mas uma tradição viva e sempre renovada e empreendedora, sabemos que a família é um sinal profético.

A Igreja quer chamar à atenção à sociedade que deve proteger e valorizar a família e não deixar desinvestir neste interior do país para que haja à mesa da sociedade lugar para todos”, defendeu.

D. Francisco Senra Coelho acrescentou ainda que não pode ter uma “atitude acomodada com a desertificação” e quer despertar os corações para o valor da família.

“É necessário que os filhos, os netos e os bisnetos ouçam com os olhos, para que as familias mostrem a transmissão da fé às novas gerações, precisamos de ser discípulos missionários”, pediu.

No fim da sua homilia o arcebispo de Évora reforçou o valor da família cristã e pediu que sejam “abertas à vida” e que,” mesmo com menos sacerdotes” as famílias cristãs vão ter as igrejas cheias, com comunidades fervorosas “que vivem a fé, professam a Palavra e distribuem a eucaristia”.

Na celebração desta manhã de sábado o arcebispo de Évora saudou também os casais que celebravam “na alegria e gratidão” os 25 e 50 anos de matrimónio.

SN

 

Partilhar:
Share