Faro, 28 jan 2022 (Ecclesia) – O bispo do Algarve disse que os catequistas têm um “papel fundamental” na recuperação das comunidades dos efeitos da pandemia de Covid-19, no Dia Diocesano do Catequista, que foi realizado pelos meios digitais.

“Confio plenamente que será a partir de vós e do vosso serviço que conseguiremos recuperar a vida e a vitalidade das nossas comunidades paroquiais neste pós-pandemia”, assinalou D. Manuel Quintas, citado esta quinta-feira pelo jornal diocesano ‘Folha do Domingo’.

O bispo do Algarve manifestou o seu “reconhecimento aos catequistas pelo seu serviço à Igreja diocesana” e explicou que esse trabalho de recuperação vai ser realizado com os párocos e outros responsáveis paroquiais.

D. Manuel Quintas destacou a “disponibilidade, disposição” e “criatividade” destes agentes pastorais, mesmo em tempo de pandemia para “levar para a frente este serviço nas paróquias e comunidades”.

“Não tem sido fácil, eu sei. E muitos de vós partilhais comigo essas dificuldades. Mas sei também – e isso conforta-me e estimula-me até na minha missão de bispo diocesano – da vossa coragem, da vossa determinação”, acrescentou.

O responsável diocesano lembrou também que o Papa Francisco decidiu instituir leigos e leigas no ministério de leitor e de catequista, pela primeira vez, no dia 23 de janeiro, num “reconhecimento de toda a Igreja pela vocação e missão do catequista” através de um ministério que “radica no Batismo e não no sacramento da Ordem”.

“É a partir daí que brota na Igreja o sentido da sua ministerialidade, neste complemento de carismas e ministérios. De certa maneira é por aí que passa também a sinodalidade”, salientou D. Manuel Quintas.

O jornal ‘Folha do Domingo’ informa que, por causa da pandemia, o Dia Diocesano do Catequista do Algarve foi uma conferência online, a 22 de janeiro.

‘A sinodalidade na ação evangelizadora da Igreja’ foi o tema da reflexão do padre Tiago Freitas, da Arquidiocese de Braga, que apresentou nas Jornadas Nacionais de Catequistas 2021.

CB

Partilhar:
Share