D. João Marcos agradeceu «de coração» às freiras Carmelitas 65 anos de «presença orante»

Foto: CIRP Diocese de Beja; Dia do Consagrado 2017 no Mosteiro do Sagrado Coração de Jesus

Beja, 22 out 2019 (Ecclesia) – A Diocese de Beja informa que foi executado hoje “o decreto de supressão” do Mosteiro do Sagrado Coração de Jesus por “falta de irmãs” na comunidade Carmelita.

“Tendo como motivo a falta de irmãs na comunidade de acordo com a legislação aprovada pela Congregação dos Institutos de Vida Consagrada e Sociedades de Vida Apostólica, especificamente o documento Cor orans, no seu nº 70”, explica um comunicado enviado à Agência ECCLESIA.

O comissário da Ordem do Carmo, padre Ricardo Rainho, e a madre presidente da Federação Mater et Decor Carmeli de monjas carmelitas, madre Maria Dolores Dominguez, com o bispo de Beja “executaram” hoje o decreto de supressão assinado pelo secretário da Congregação dos Institutos de Vida Consagrada e Sociedades de Vida Apostólica, D. José Rodriguez Carballo, a 12 de julho, em Roma.

O bispo de Beja agradeceu “de coração” às irmãs Carmelitas a “presença orante durante 65 anos” na diocese que agora “fica mais pobre sem este pulmão espiritual de vida contemplativa”.

Segundo o comunicado, D. João Marcos vai fazer “o que for possível” para que uma nova comunidade possa em breve habitar na diocese católica do baixo-alentejo.

CB/PR

Partilhar:
Share