Bispo diocesano afirmou que «acolhimento é necessidade humana» 

Viana do Castelo, 04 nov 2019 (Ecclesia) – O bispo de Viana do Castelo disse no encerramento da Semana da Diocese 2019 que “o acolhimento não é apenas uma necessidade eclesial, mas humana.

“Vivemos porque somos acolhidos e, simultaneamente, vivemos na medida em que acolhemos os outros e, por isso, o acolhimento é identitário da própria vida humana, pois o ser humano é, por natureza, um ser social que não pode viver isolado”, afirmou D. Anacleto Oliveira na na homilia da Missa, na catedral diocesana.

Na informação enviada à Agência ECCLESIA pelo Secretariado Diocesano de Comunicação Social de Viana do Castelo, o bispo explicou que se vive porque se foi acolhido “logo no seio materno e, depois, na família, na Igreja, na escola, no trabalho”, podendo dizer-se o mesmo de outras dimensões da vida humana.

“E quando alguém não me acolhe? E quando sou rejeitado? E quando, porventura, eu não acolho e rejeito os outros?”, questionou no encerramento da Semana da Diocese e do Dia Diocesano da Música Litúrgica.

D. Anacleto Oliveira realçou que “Deus acolhe, não tanto pelo bem” que se faz, mas para fazer “bem aos outros”: “A primeira condição para sermos acolhidos e acolhermos é sermos pequenos, reconhecermo-nos limitados e, por isso, com necessidade dos outros”.

“O segredo para o verdadeiro acolhimento está na estatura, ou melhor, na baixa estatura de que falava o Evangelho escutado na celebração a propósito de Zaqueu, uma figura caracterizada pela pequena estatura física, mas sobretudo pela pequena estatura moral e social, porque, aproveitando-se da sua função de cobrador de impostos, ficava com mais do que aquilo a que tinha direito, tornando-se pequeno aos olhos dos outros”, desenvolveu a partir do Evangelho deste domingo.

‘Somos Igreja que Acolhe’ é o tema do ano pastoral 2019/2020 na Diocese de Viana do Castelo.

O encerramento da Semana da Diocese, em Viana do Castelo, marcou também a conclusão do Dia Diocesano da Música Litúrgica e que, este ano, coincidiu com o dia da criação da Diocese.

O Dia Diocesano da Música Litúrgica no alto minho foi uma oportunidade para apresentar aos grupos corais o ‘Cantoral Nacional’, onde foram propostos diversos workshops aos participantes, nomeadamente canto, direção coral e órgão.

Durante a Semana da Diocese de Viana do Castelo decorreu ainda a Assembleia do Clero, que decorreu no Santuário da Senhora da Pene, em Arcos de Valdevez, onde o cónego José Paulo Abreu, da Arquidiocese de Braga, falou da ”atualidade e pertinência” da vida e obra de D. Frei Bartolomeu do Mártires, o mais recente santo português, cuja celebração de Ação de Graças pela canonização vai decorrer na Sé de Braga, no dia no dia 10 de novembro.

CB/PR

Partilhar:
Share