Data é assinalada em Lisboa com celebração promovida pelo «Eu Acredito», que congrega movimentos juvenis

 

Lisboa, 17 mai 2020 (Ecclesia) – O Papa preside esta segunda-feira a uma Missa junto ao túmulo de São João Paulo II, na Basílica de São Pedro, assinalando o nascimento do santo polaco, que o criou cardeal em 2001.

“Amanhã de manhã, às 07h00 (06h00 em Lisboa), celebrarei a Santa Missa, que será transmitida para todo o mundo, no altar onde repousam os seus restos mortais. Do Céu, que ele (São João Paulo II) continue a interceder pelo Povo de Deus e pela paz no mundo”, disse Francisco, no Vaticano, após a oração dominical do ‘Regina Caeli’.

A Eucaristia desta segunda-feira tem transmissão na RTP.

O Papa assina o texto de abertura de uma edição especial do jornal do Vaticano, ‘L’Osservatore Romano’, dedicada a São João Paulo II, pontífice entre 1978 e 2005 – o terceiro pontificado mais longo na história da Igreja Católica.

“Caros irmãos e irmãos, fazendo memória do centenário do nascimento de São João Paulo II, dirigimo-nos a ele, para pedir a sua intercessão: intercede para que permaneçamos sempre fiéis ao Evangelho; intercede para saibamos escancarar as portas a Cristo”, escreve Francisco.

Intercede para que, nestes tempos difíceis sejamos testemunhas de alegria e de misericórdia; intercede para que saibamos responder às necessidades dos nossos irmãos que sofrem, reconhecendo no seu rosto o rosto do Senhor. Ajuda-nos com a tua intercessão para que não nos deixem roubar a esperança e a ser homens e mulheres que caminhamos na certeza da fé”.

Em Portugal, o cardeal-patriarca de Lisboa vai presidir, esta segunda-feira, às 19h00, a uma Missa que assinala os 100 anos do nascimento de Karol Wojtyla.

A celebração será transmitida online pelas páginas Youtube, Facebook e MEO Kanal (210021) do Patriarcado de Lisboa e decorrerá na igreja de Nossa Senhora de Fátima.

Esta iniciativa é organizada pelo ‘Eu Acredito’, um grupo que congrega jovens de várias paróquias, movimentos eclesiais e serviços diocesanos.

“É um convite a que os jovens e famílias rezem em suas casas, estando em comunhão com a Igreja para agradecer a vida e o ministério do Papa Santo”, explica a organização.

Karol Jozef Wojtyla nasceu em Wadowice (Polónia), a 18 de maio de 1920; foi eleito Papa a 16 de outubro de 1978, e morreu no Vaticano, a 2 de abril de 2005; Francisco canonizou-o a 27 de abril de 2014, perante mais de um milhão de pessoas.

Em 1938 foi admitido na Universidade Jagieloniana, onde estudou poesia e drama; durante a II Guerra Mundial (1939-1945) esteve numa mina em Zakrzowek, trabalhou na fábrica Solvay e manteve uma intensa atividade ligada ao teatro, antes de começar clandestinamente a sua formação como seminarista, acolhido pelo cardeal de Cracóvia.

Karol Wojtyla foi ordenado sacerdote em 1946, no dia 23 de setembro de 1958 foi ordenado bispo-auxiliar do administrador apostólico de Cracóvia.

Participou no Concílio Vaticano II, onde colaborou ativamente nas comissões responsáveis pela Constituição Dogmática Lumen Gentium e a Constituição Conciliar Gaudium et Spes; a 13 de janeiro de 1964 assume a sede episcopal de Cracóvia e, dois anos depois, o Papa Paulo VI eleva a diocese a arquidiocese cria Karol Wojtyla cardeal, aos 47 anos, em maio de 1967.

O cardeal Wojtyla foi eleito Papa no dia 15 de outubro de 1978, o primeiro pontífice não-italiano desde 1522.

Na habitual resenha biográfica que é apresentada no calendário dos santos e beatos, João Paulo II é lembrado pela “extraordinária solicitude apostólica, em particular para com as famílias, os jovens e os doentes, o que o levou a realizar numerosas visitas pastorais a todo o mundo”.

“Entre os muitos frutos mais significativos deixados em herança à Igreja, destaca-se o seu riquíssimo Magistério e a promulgação do Catecismo da Igreja Católica e do Código de Direito Canónico para a Igreja latina e oriental”, pode ler-se.

Aos fiéis é proposta ainda uma passagem da homilia de João Paulo II no início do seu pontificado, precisamente a 22 de outubro de 1978, na qual afirmou: “Não tenhais medo! Abri as portas a Cristo!”.

Entre os seus principais documentos, contam-se 14 encíclicas, 15 exortações apostólicas, 11 constituições apostólicas e 45 cartas apostólicas.

João Paulo II realizou 104 viagens apostólicas fora da Itália, a que se juntam 146 nesse país em 26 anos e meio de pontificado; visitou 129 países diferentes e mais de mil cidades, num total de quase 1300 quilómetros percorridos.

O santo polaco passou por Portugal em 1982, 1991 e 2000 – além de uma escala técnica no Aeroporto de Lisboa (2 de março de 1983), a caminho da América Central.

O Papa emérito Bento XVI e o Papa Francisco assinaram textos por ocasião deste centenário.

OC

Partilhar:
Share