Vaticano promoveu cimeira internacional onde foi assinada a Declaração «Desporto para Todos»

Cidade do Vaticano, 30 set 2022 (Ecclesia) – O Papa afirmou hoje que o desporto “é um bem educativo e social e deve permanecer assim”, no final de uma cimeira internacional de dois dias, realizada no Vaticano, e onde foi assinada a Declaração ‘Desporto para Todos’.

“Hoje temos grande necessidade de uma pedagogia de paz, de fomentar uma cultura de paz, a partir das relações interpessoais diárias até chegar àquelas entre os povos e as nações. Se o mundo do desporto transmite unidade e coesão, pode se tornar um aliado formidável na construção da paz”, disse Francisco na audiência, na Sala Paulo VI.

O Papa salientou que a Igreja está próxima do desporto porque “acredita no jogo e na atividade desportiva como um lugar de encontro entre as pessoas, de formação de valores e de fraternidade”.

“Gerador de comunidade, um símbolo de unidade, integração, coesão e mensagem de concórdia e paz”, realçou.

O encontro do Papa com atletas, dirigentes e autoridades desportivas de 40 países, na Sala Paulo VI, encerrou dois dias de uma cimeira internacional do desporto, intitulada ‘Desporto para todos – coeso, acessível e adaptado a cada pessoas’, promovida pelo Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, em colaboração com o Dicastério para a Cultura e a Educação e a Fundação João Paulo II para o Desporto.

Foto: Vatican Media

“Vocês são movidos por uma nobre motivação: A de se comprometerem com a promoção de um desporto que seja para todos, que seja ‘coeso’, ‘acessível’ e ‘adaptável para todas as pessoas’. Um grande compromisso, sem dúvida, um desafio que ninguém é capaz de realizar sozinho, mas vocês sabem muito bem que para atingir objetivos altos, árduos e difíceis – altius, citius, fortius – é preciso jogar em equipa, é preciso se unir, communiter”, desenvolveu.

Francisco incentivou os atletas de alta competição, que são referências para os jovens, a ajudar a combater a cultura do descarte, através da responsabilidade educativa e social, e observou que a prática de desporto, orientada para a educação, pode ajudar a “resgatar a dignidade”, ou seguir um caminho totalmente contrário.

“Fora dessa lógica, corre-se o risco de cair na ‘máquina’ do negócio, do lucro, de uma espetacularidade consumista, que produz ‘personagens’ cuja imagem pode ser explorada”, explicou.

“Mas isso não é mais desporto: O desporto é um bem educativo e social e deve permanecer assim! É por isso que temos a responsabilidade de garantir que o desporto seja acessível a todos”, acrescentou.

O Papa disse ainda que o desporto deve oferecer acolhimento e ser promovido de um forma que as pessoas consigam desenvolver os seus talentos, a partir da própria condição também de fragilidade e deficiência, afinal, os atletas não são “super-homem ou supermulher”.

“Vocês têm os seus limites e tentam fazer o melhor. Encorajo-os a lutar para que o desporto seja uma casa para todos, aberta e acolhedora. Nesta casa, nunca perca um ambiente familiar, que se possa encontrar irmãos e irmãs, amigos e amigas.”

Na manhã desta sexta-feira, antes deste encontro, Francisco recebeu o presidente do Comité Olímpico Internacional, Thomas Bach, e o diretor geral Christoph de Kepper, que participaram na última sessão de discussão da cimeira internacional do desporto.

Foram convidadas cerca de 200 pessoas de federações desportivas e associações amadoras, participaram, por exemplo, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), o Comité Olímpico e Paralímpico Internacional, o Comité Internacional e Brasileiro Pierre de Coubertien, a Unesco e a Caritas, e D. Emmanuel Gobilliard, o delegado episcopal do Papa Francisco aos Jogos Olímpicos de 2024, em Paris; os trabalhos terminaram hoje com a assinatura da ‘Declaração Desporto para Todos’.

“Alguns podem perguntar por que razão a Igreja está a reunir o mundo do desporto para uma reunião aqui. ‘União’ e ‘encontro’ resumem bem a motivação subjacente que nos move”, disse o cardeal Kevin Farrell, prefeito do Dicastério para os Leigos, Família e Vida (Santa Sé), esta quinta-feira.

Este encontro deu continuidade ao encontro internacional ‘O desporto ao Serviço da Humanidade’, em outubro de 2016, e ao primeiro documento da Santa Sé sobre o desporto, ‘Dar o melhor de si’, publicado a 1 de junho de 2018.

CB

Partilhar:
Share