Responsáveis católicos alertam para impacto da guerra sobre populações mais pobres, a nível global

Foto: Lusa/EPA

Cidade do Vaticano, 16 mai 2022 (Ecclesia) – A confederação internacional da Cáritas, com 162 organizações dos cinco continentes, denunciou hoje no Vaticano a “violência cega” contra os civis na guerra na Ucrânia.

“A guerra não é solução”, disse Aloysius John, secretário-geral da ‘Caritas Internationalis’, em conferência de imprensa.

O responsável falou em 82 dias de “pesadelo”, marcados pela violência e a incerteza para a população, antes de evocar a onda de refugiados e desalojados que a invasão russa provocou, desde o início do conflito, a 24 de fevereiro.

“A rede da Cáritas tem estado na linha da frente, desde o início do conflito”, tanto na Ucrânia como em países vizinhos – Polónia, Hungria, República Checa, Eslováquia, Roménia e Moldávia -, destacou Aloysius John, manifestando a sua preocupação com o “tráfico humano nas fronteiras”.

O secretário-geral da ‘Caritas Internationalis’ assinalou o impacto desta guerra sobre as populações mais pobres do resto do mundo, após a crise provocada pela pandemia.

Como exemplo, o responsável falou do aumento do preço do pão na Síria, onde esteve em visita, no mês de março.

“Não haverá vencedores nesta guerra”, sustentou, convidando os responsáveis internacionais a não esquecer as outras “crises humanas” do mundo.

A presidente da Caritas Ucrânia, Tetiana Stawnychy, realçou que um terço da população deixou a sua casa “num período muito curto de tempo”.

“Ainda é só o começo”, afirmou, destacando que muitas pessoas continuam a fugir das zonas em guerra.

Foto: Caritas Internationalis

A responsável elogiou a “solidariedade” na Ucrânia, em resposta ao cenário de “caos, destruição, guerra”, sublinhando que “por trás de cada número, há uma pessoa”.

Tetiana Stawnychy lembrou o ataque contra instalações da Cáritas, em Mariupol, admitindo que há riscos associados à resposta humanitária.

“Procuramos, de forma geral, manter algum nível de segurança”, apontou.

Já o padre Vyacheslav Grynevych, secretário-geral da Caritas-Spes Ucrânia, começou por agradecer aos jornalistas por mostrarem a “verdade sobre o impacto da guerra”.

“As imagens da guerra vão ficar connosco para toda a vida”, assumiu.

Questionado sobre uma eventual viagem do Papa Kiev, o responsável admitiu que “não é fácil visitar a Ucrânia, neste momento”, agradecendo as manifestações de apoio de Francisco e da Santa Sé.

O sacerdote manifestou a sua preocupação com o impacto da separação das famílias, no pós-guerra, e as consequências do conflito no percurso educativo das novas gerações, que já tinha sido afetado pela pandemia de Covid-19.

“Não é possível ter um processo educativo normal”, advertiu.

Foto: Cáritas

O padre Vyacheslav Grynevych partilhou uma história sobre a organização espontânea dos grupos de pessoas que ainda estão a viver abrigadas em estações de metro, com pontos de distribuição para alimentos, medicamentos e mesmo para a projeção de filmes.

“Isto mostra a beleza da alma humana, que é muito flexível, perante a situação”, declarou.

O Papa recebeu este domingo os dois responsáveis da Cáritas na Ucrânia, para uma audiência que durou cerca de 30 minutos, na qual recebeu informações sobre a resposta ao conflito.

OC

 

Ucrânia: «Conflito só se resolve com maiores sanções ou mais armas» – Diretor da Caritas-Spes (c/áudio)

Partilhar:
Share