Mensagem para celebração mundial assinala importância de promover «indústria da paz»

Lisboa, 26 set 2022 (Ecclesia) – A Pastoral do Turismo – Portugal divulgou hoje a sua mensagem para o dia mundial do setor, que se celebra a 27 de setembro, alertando para os impactos negativos da pandemia e da guerra.

“Esta indústria da paz fica, mais uma vez, seriamente ameaçada, face a este cenário de dubiez, que traz dificuldades a um conjunto muito alargado de pessoas, de comunidades, de lugares, de cidades, que do Turismo dependem e que vêm, novamente, perturbado o seu caminho de crescimento e de construção de um mundo mais sustentável”, pode ler-se no texto, enviado à Agência ECCLESIA.

O organismo da Igreja Católica considera que a guerra na Ucrânia representa “uma ameaça em termos globais”, destacando a importância de promover a “Indústria da Paz”, que promove relações “entre seres humanos de diferentes culturas, religiões, etnias”.

“[O turismo] é uma atividade altamente inclusiva, já que, criando muito emprego para pessoas com diferentes níveis de qualificação, permite que todos possam ser integrados no mercado de trabalho”, acrescenta a mensagem.

Esta é uma indústria cujo produto é tão mais valorizado, quanto melhor for a qualidade ambiental e a promoção do desenvolvimento social das populações que são visitadas, ou seja, quanto maior for o índice de sustentabilidade que promova.”

A Pastoral do Turismo – Portugal aponta ao potencial do património religioso para este setor, como uma “séria proposta de atribuição de sentido a muitas questões da sociedade contemporânea”.

Os responsáveis assinalam que a presença da Igreja na área turística deve acolher “todas as visões”, ajudando a “caminhar no sentido de vencer os conflitos e as diferenças”.

“É imperioso pôr em prática essa ‘nova Pastoral’, já não somente preocupada com o peregrino, mas com todos os turistas, uma Pastoral que assenta a sua ação na ligação e disponibilidade para estar ao lado de quem trabalha neste sector. Propomos uma Pastoral do Turismo de ‘artífices da Paz’!”, conclui a mensagem.

A Pastoral do Turismo – Portugal vai participar no congresso mundial do setor, que decorre em Santiago de Compostela (Espanha), de 5 a 8 de outubro, com o tema ‘Turismo e Peregrinação: Caminhos de Esperança’.

O diretor nacional da Pastoral do Turismo da Conferência Episcopal Portuguesa, padre Miguel Neto, da Diocese do Algarve, fará uma preleção sobre ‘A proposta pastoral portuguesa, projeto em ação’.

Em declarações à Agência ECCLESIA, o sacerdote destaca a “riqueza” que se encontra na atividade turística, através do contacto com várias culturas e sensibilidades, alertando para o que chama de “turismofobia”.

“Faz parte desta pastoral fazer entender que, aqueles que nos vêm visitar, além de garantirem condições de subsistência e alimentarem toda uma indústria, não chegam em guerra, dão-nos a possibilidade de conhecer outros horizontes”, observa.

O responsável sublinha a importância de divulgar o património e garantir a acessibilidade às igrejas, para peregrinos e turistas.

“Entrar numa igreja pode fazer toda a diferença”, aponta o padre Miguel Neto.

HM/OC

Partilhar:
Share