Numa mensagem aos participantes de uma conferência sobre esta temática no Cairo

Cidade do Vaticano, 18 jan 2018 (Ecclesia) – A Santa Sé publicou hoje uma mensagem do Papa para a conferência internacional Al-Azhar que decorre na cidade egípcia do Cairo, e que tem como pano de fundo a situação de instabilidade em Jerusalém, na Terra Santa.

Na missiva, partilhada pelo serviço informativo do Vaticano, Francisco reforça a “necessidade urgente de reavivar o diálogo entre Israel e a Palestina rumo à paz”.

O Papa argentino sublinha ainda que “não vai deixar de reiterar” a importância das negociações de paz entre os dois lados, em ordem a “uma coexistência pacífica entre dois Estados com fronteiras devidamente reconhecidas”.

No final de 2017, o presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, reconheceu oficialmente Jerusalém como a capital de Israel.

Os EUA mudaram inclusivamente a sua embaixada de Telavive para aquela cidade, o que fez reacender a violência entre israelitas e palestinos, que dura há décadas.

À semelhança do que já fez, Francisco realça o facto de Jerusalém, pela “relevância” que tem, e que “vai além de quaisquer considerações relacionadas com disputas de território”, ter de ser “respeitada em pleno”, como lugar de espiritualidade e oração para cristãos, muçulmanos e judeus.

“Só um estatuto especial, também reconhecido internacionalmente, pode preservar a identidade de Jerusalém, a sua vocação única enquanto lugar de paz, que abra a um futuro de reconciliação e esperança para toda a região”, escreve o Papa.

Francisco termina com um apelo à oração para que “os líderes de todas as nações, e as autoridades civis e religiosas, comprometam-se a evitar novas espirais de violência e a apoiar todos os esforços que tenham como objetivo trazer harmonia, justiça e segurança para esta terra abençoada”, que “é tão querida para si”.

Esta mensagem foi endereçada a Ahmad Al Tayyib, o grande-imã da universidade de Al-Azhar, em Cairo, no Egito, a principal instituição teológica e de instrução religiosa do Islão sunita.

JCP

Partilhar:
Share