Ciclo de debates responde a convite global lançado pelo Papa

Lisboa, 23 nov 2021 (Ecclesia) – Ângela Barreto Xavier, participante na experiência sinodal promovida pela Capela do Rato, em Lisboa, afirmou que as conferências sobre a sinodalidade, promovidas pela comunidade, “ajudam a tornar mais consistente o caminhar juntos”.

“A ideia é ter mais formação porque enquanto decorre o ciclo de conferências a comunidade da Capela do Rato já está a caminhar e as reflexões vão ajudar a tornar mais consistente o caminhar juntos”, disse à Agência ECCLESIA.

A comunidade da Capela do Rato, em Lisboa, organiza, no tempo litúrgico do Advento, um ciclo de conferências subordinado ao tema ‘Caminho Sinodal’.

A primeira conferência realiza-se no dia 29 de novembro, às 21h30, com a participação de José Eduardo Borges de Pinho, professor emérito de Eclesiologia na Faculdade de Teologia da UCP, visando oferecer “uma palavra segura e implicativa sobre a sinodalidade da vida da Igreja atual, com realismo e dimensão profética”, refere uma nota enviada à Agência ECCLESIA.

Sandra Chaves Costa, outra participante na experiência sinodal, realça que o ciclo de conferências “nasce de uma necessidade de preparação para o sínodo” convocado pelo Papa Francisco.

A palavra sinodalidade “só muito recentemente é que integrou o vocabulário de muitos de cristãos”, por isso a comunidade da Capela do Rato sentiu a “necessidade de um momento introdutório de formação teológico prática” para se prepararem “como melhores instrumentos para fazer este caminho sinodal”, acrescenta.

Sandra Chaves Costa sustenta que a sinodalidade “é a identidade e o ethos da própria Igreja” porque “é a maneira como se faz caminho enquanto peregrinos”.

O Sínodo 2021-2023 começou em outubro, com cerimónias de abertura no Vaticano e em todas as dioceses católicas, com o tema ‘Para Uma Igreja Sinodal: comunhão, participação, missão’.

No dia 9 de dezembro, às 21h30, o padre José Frazão Correia, SJ, vai refletir sobre “a prática sinodal como experiência espiritual de discernimento comunitário”; a 13 de dezembro, também às 21h30, a teóloga espanhola Cristina Inopéz Sanz, que integra a Comissão Metodológica criada pela Santa Sé, vai falar sobre as “formas de concretizar o processo sinodal”.

A comunidade pretende também que “as vozes das mulheres sejam mais ouvidas”, refere Ângela Barreto Xavier.

PR/LFS

 

Partilhar:
Share