Lisboa, 25 out 2019 (Ecclesia) – A Universidade Católica Portuguesa (UCP) associou-se ao Sínodo especial para a Amazónia, que decorre no Vaticano, com um seminário sobre Economia, Teologia e Sustentabilidade, assumindo o desafio de valorizar as “sabedorias” dos povos indígenas.

“Não olhemos para as culturas indígenas na Amazónia como algo pitoresco, folclórico. É preciso perceber a sua complexidade, não são coisas superficiais, são sabedorias do mundo, têm uma cosmovisão, uma maneira de pensar os problemas diferente da maneira latina, europeia, romana”, disse à Agência ECCLESIA o professor Juan Ambrosio, da Faculdade de Teologia.

O Seminário ‘Cuidar de todos, cuidar da terra. Na urgência de uma transformação cultural’ decorreu em Roma, a 16 de outubro, integrado no conjunto de iniciativas que acompanharam, em paralelo, a assembleia sinodal convocada pelo Papa Francisco.

Rita Paiva e Pona, assessora da Reitoria da UCP, explicou que a proposta quis mostrar a “interdisciplinaridade” preconizada pela UCP.

“Houve um conjunto de perguntas, que quisemos lançar a quem se juntou a nós, para que nos pudessem apresentar os gestos proféticos que procuramos para o futuro”, precisou.

A proposta apresentada pela UCP contou com o contributo de Maria da Glória Garcia, antiga Reitora e de Nuno Alves, da ‘Católica Lisbon School of Business and Economics’, entre outros.

Juan Ambrósio adiantou que os resultados do seminário estão a ser estudados, projetando como prioridades a “inclusão” e a “responsabilidade social” perante os pobres e a natureza.

Na Amazónia, sublinhou, encontra-se “outra maneira de pensar os problemas”, com que o mundo ocidental pode aprender.

“Só na complementaridade das abordagens poderemos resolver os problemas, no mundo em que vivemos”, apontou, numa entrevista que é transmitida este domingo, pelas 06h00, na Antena 1 da rádio pública, no programa ECCLESIA, dedicado ao encerramento do Sínodo especial para a Amazónia.

Para o teólogo e professor da UCP, a integração da ecologia integral na Teologia e na Espiritualidade dos católicos é “um enorme desafio”, observando que “tudo o que diz respeito à Casa Comum tem de ser critério identificativo da fidelidade cristã”.

Vamos ter de integrar na espiritualidade, na ação, na maneira como pensamos o que é pecado ou não – para utilizar essa categoria -, não só aquelas questões morais, mas também as questões do cuidado da Casa Comum”.

A UCP está ainda a trabalhar outro convite do Papa, que convocou jovens economistas, empresários e empresárias de todo o mundo para um encontro em Assis, nos dias 26, 27 e 28 de março, para debater a construção de uma economia mais sustentável e inclusiva.

Rita Paiva e Pona refere à Agência ECCLESIA que esta iniciativa “tem desafiado a própria Universidade a sair de portas”, tendo convidado todas as universidades em Portugal, dentro das áreas da Economia, Gestão e Ciências Sociais, para divulgar a iniciativa e “trabalhar em rede”.

O objetivo é levar a Assis um grupo de estudantes portugueses que mostre “aquilo que em Portugal já se faz em prol da Economia de Francisco” e que desafios se antecipam, por uma Economia que faça viver.

OC

Partilhar:
Share