D. José Ornelas abriu o ciclo de encontros formativos online promovido pela pastoral familiar diocesana

Foto: Agência ECCLESIA/PR

Setúbal, 24 out 2020 (Ecclesia) – O bispo de Setúbal, D. José Ornelas, iniciou, esta sexta-feira, o ciclo de encontros formativos online promovido pela pastoral familiar diocesana, com o tema “Confinamento à Luz da História do Povo de Deus” onde destacou os “confins da vida” de cada um.

“Confinamento remete-me para os confins, quais os meus limites? Pode ser algo que corta ou ter um significado positivo que é confinar, descrever o que sou, quem sou como pessoa, como comunidade ou como família; que relacionamento tenho com outro grupo? Quais os meus confins em relação ao outro”, afirmou. 

O bispo de Setúbal aponta que a pandemia, “que remeteu a cada, para cada família” também trouxe reflexão sobre este significado de “ter uma casa, uma família ou ter fé”.

“A casa foi algo de mais englobante da vida que a família significa, as experiências de cada um, foi aqui que me fiz pessoa que fui acolhido, isso cria a identidade familiar”, refere. 

O também presidente da Conferência Episcopal Portuguesa referiu-se ainda ao tempo de confinamento recorrendo a cinco passagens bíblicas e à família, como “primeira igreja da fé. 

“Eu sentir-me na minha família, família que é a primeira igreja da fé, e se não for não vai funcionar, porque hoje somos todos gente e a mobilidade humana leva-nos a todo o mundo; veja-se os Erasmus e outras experiências internacionais o que vão fazendo, e isso é bom, é bom que sintam saudades de casa”, aponta. 

Na conferência, D. José Ornelas apelou a que “ninguém se deixe anular a si próprio” mas que todos são convidados a “trazer aquilo que têm para a festa da humanidade”.

SN

Partilhar:
Share