Texto destaca «celebração do desejo apaixonado e do amor mútuo»

Ilustração de Ilda David, pormenor (D.R.)

Lisboa, 02 jun 2022 (Ecclesia) – A Comissão que coordena a nova tradução da Bíblia da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) lançou em junho o texto provisório do Cântico dos Cânticos, livro do Antigo Testamento apresentado como “poema lírico de tema amoroso”.

“Entre os estudiosos atuais, a tendência vai no sentido de ler o Cântico dos Cânticos nos seus próprios termos, enquanto celebração do desejo apaixonado e do amor mútuo entre um homem e uma mulher”, refere a introdução ao texto, divulgado online.

O documento cita o erudito judeu Saadia Gaon (séc. IX-X d.C.) para falar do Cântico dos Cânticos como “uma porta fechada, da qual há muito se perdera a chave”.

“Esta metáfora exprime bem a variedade e as subtilezas com que nas tradições judaica e cristã sempre se processou a sua leitura e interpretação”, pode ler-se.

Quer no judaísmo quer no cristianismo, impôs-se, desde muito cedo, uma interpretação alegórica do Cântico dos Cânticos: o amor entre os amados é imagem ou metáfora do amor entre Deus e o povo de Israel ou entre Cristo e a Igreja”.

A tradição atribui o Cântico dos Cânticos ao rei Salomão, filho e sucessor do rei David, mas “a maior parte dos especialistas veem o Cântico dos Cânticos como um livro tardio, bem posterior a Salomão, composto no final do período persa ou no início do período helenístico”, nos séculos IV ou III a.C.

Face às várias possibilidades de leitura, alegórica e literal, a Comissão da CEP destaca que ninguém “precisa de assumir uma interpretação em detrimento da outra.

“A exegese moderna e contemporânea reabriu a porta ao reconhecimento de que o amor entre homem e mulher é um lugar teológico a redescobrir: a beleza e sublimidade do encontro amoroso é dom divino e, por isso, sacramento da presença e intimidade de Deus com as suas criaturas”, indica a nota.

“O Cântico dos Cânticos é um poema lírico de tema amoroso que celebra encontros e desencontros entre dois amados, dando-lhes a palavra de forma alternada, num diálogo estruturado em forma narrativa e de encenação teatral”, observa a comissão da CEP explica .

“O tema, o género e algumas das imagens e metáforas utilizadas são comuns na poesia lírica dos povos vizinhos de Israel e de Judá no Próximo Oriente Antigo”, precisa a nota introdutiva à tradução.

Trata-se, portanto, de poesia lírica de tema amoroso que celebra e descreve os avanços e recuos, o jogo de distância e intimidade que caracteriza a expressão do amor, na sua dimensão afetiva e sexual”.

A tradução provisória deste livro está disponível para download no site da Conferência Episcopal Portuguesa.

Em março de 2019, a Conferência Episcopal apresentou o primeiro volume da nova tradução em português da Bíblia, feita por 34 investigadores a partir das línguas originais, com a publicação da edição de ‘Os Quatro Evangelhos e os Salmos’.

Desde agosto de 2021, um novo livro da Bíblia é disponibilizado mensalmente em formato digital, também através dos canais da Agência ECCLESIA.

A intenção é envolver a comunidade no processo, acolhendo o contributo dos leitores; os comentários podem ser enviados para o endereço eletrónico biblia.cep@gmail.com.

OC

Partilhar:
Share