«Lava-pés» fora do Vaticano e Via-Sacra no Coliseu de Roma ficam de fora da agenda, devido à pandemia

Cidade do Vaticano, 08 abr 2020 (Ecclesia) – O Papa vai presidir a partir desta quinta-feira a um Tríduo Pascal “insólito”, como o próprio admitiu, com limitações impostas pela pandemia de Covid-19, que impede a participação de fiéis no Vaticano.

O portal ‘Vatican News’ fala num ciclo “mais sóbrio e essencial”, organizado pelo Departamento de Celebrações Litúrgicas do Sumo Pontífice (Santa Sé), que decorre sobretudo na Basílica de São Pedro, com transmissão televisiva e online para todo o mundo.

Na Quinta-feira Santa, o Papa não preside à Missa Crismal com os sacerdotes da Diocese de Roma, adiada a data por definir; já a Missa da Ceia do Senhor, pelas 18h00 (menos uma em Lisboa), vai decorrer pela primeira vez, no atual pontificado, no Vaticano e não num estabelecimento prisional ou de ajuda a população desfavorecida, sem o rito tradicional do Lava-pés.

Na Sexta-feira Santa, volta ao Vaticano o crucifixo de São Marcelo, para a Liturgia da Paixão e da Adoração da Cruz, às 18hoo locais, na Basílica de São Pedro, onde decorre uma meditação do pregador da Casa Pontifícia, frei Raniero Cantalamessa; depois o crucifixo será descoberto para um momento de adoração, sem o habitual beijo.

A cruz venerada na igreja de São Marcelo al Corso é um crucifixo considerado milagroso que, segundo a tradição popular, pôs fim à peste de 1522; a 27 de março esteve na Praça de São Pedro para a oração e bênção ‘urbi et orbi’ [à cidade (de Roma) e ao mundo] extraordinária, pelo fim da pandemia.

Uma das mudanças mais visíveis acontece na noite de Sexta-feira: a Via-Sacra (21h00 de Roma) que evoca os momentos da prisão, julgamento e execução de Jesus Cristo decorre este ano na Praça de São Pedro, em vez do Coliseu de Roma.

As 14 estações ao longo da colunata, dois grupos de pesos vão levar a cruz, entre eles dois presos da Cadeia “Due Palazzi” de Pádua (onde foram escritas as meditações de 2020) e alguns médicos e enfermeiros do FAS (Fundo de Assistência Médica do Vaticano).

Também a Vigília Pascal, às 21h00 de sábado, tem limitações, a começar pela ausência de Batismos de adultos, na cerimónia deste ano, que se inicia com a bênção do fogo atrás do altar da Confissão; os sinos da Basílica de São Pedro vão tocar festivamente no momento da Glória, anunciando a ressurreição.

A Missa de Domingo de Páscoa vai ser celebrada no altar da Cátedra, na Basílica do Vaticano; em 2020, será diante do altar da Confissão que Francisco vai proferir a mensagem Urbi et Orbi e dar a bênção pascal, pelo meio-dia.

OC

 

Partilhar:
Share