Homilia de D. Manuel Linda destacou papel de Maria, «virgem antes, durante e depois do parto»

Porto, 26 dez 2018 (Ecclesia) – O bispo do Porto lamentou, na Missa de Natal, uma “vivência meramente periférica” desta celebração, falando num mundo em que é, cada vez mais, “politicamente incorreto demonstrar fé”.

Na noite em que os católicos celebraram o nascimento de Jesus Cristo, D. Manuel Linda apontou o dedo a um “mundo de dirigentes mundiais que não perde o sono pelo facto de os cristãos serem dizimados no Próximo Oriente, em África e um pouco por toda a terra”.

“Um mundo que pretende sepultar a Igreja sob uma laje de silêncio, a não ser que qualquer problema forneça o combustível para a sujeitar a longo martírio de ser queimada em fogueiras acendidas por alguma comunicação social”, referiu.

Na celebração a que presidiu na Sé do Porto, o bispo diocesano assinalou que, que “tal como nos dias de Herodes, está mesmo a tornar-se um mundo perigoso quer para o Menino, quer para quantos colocam nele a sua esperança”.

Segundo D. Manuel Linda, “alguns cristãos são impedidos de chegar a certas funções” e as instituições da Igreja, nomeadamente as assistenciais e educativas, “são menosprezadas, quando não ostracizadas e ‘legalmente’ perseguidas”.

“A pretexto da laicidade, parece que os crentes perdem a sua condição de cidadãos e os direitos que daí advêm; um mundo de cinismo que rejeita os grandes valores comprovadamente uteis para a sociedade, só porque vinculados pela Igreja, instaurando a aridez familiar e social e fragmentando a existência”, advertiu.

A intervenção destacou o papel da Virgem Maria na celebração do Natal, saudando o seu “insubstituível contributo” para a história da  salvação.

Evidentemente, não haveria Natal sem a Virgem Santa Maria, Aquela que, de acordo com a fé da Igreja – que é também a minha fé! -, é proclamada ‘virgem antes, durante e depois do parto’, de maneira expressa a partir do Sínodo de Milão (ano 390), ou ‘Mater intacta’, como dizemos na ladainha”.

A homilia de D. Manuel Linda foi publicada pelo site da Diocese do Porto.

OC

Partilhar:
Share