Membro do «Conselho Missão País» recorda experiência da primeira edição, em 2003

Lisboa, 24 fev 2020 (Ecclesia) – Bernardo Vasconcelos, que participou na primeira semana da ‘Missão País’ há 17 anos, com mais 20 estudantes universitários, afirma que o projeto transforma quem passa por ele.

“As pessoas não ficam iguais, o facto de terem passado na ‘Missão País’ ganham uma atitude diferente como cristãos e isso é muito importante”, disse, em entrevista à Agência ECCLESIA, revelando que há “o sonho de juntar toda a gente” que já participou nesta iniciativa desde 2003.

A ‘Missão País’  – que este ano mobiliza 3377 missionários, de 55 faculdades portuguesas – nasceu com estudantes da Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa, e Bernardo Vasconcelos é um dos cofundadores desta iniciativa, com mais 20 estudantes universitários, que foram para Coruche comprometidos “a ir pelo projeto”.

Lembro-me que entramos num carro com amigos para irmos para Coruche e não sabíamos para o que íamos, não fazíamos ideia do iria acontecer, nem de que forma iria acontecer”.

O missionário explica que há 17 anos o que se agarrou foi o “compromisso ou atitude de entregar” e a partir dai fizeram “várias atividades e várias dinâmicas pelo talento do grupo” que ali estava e não por uma organização prévia.

Bernardo Vasconcelos recorda que o programa “foi muito genuíno” e as atuais “atividades base”, que são ir porta a porta, ajudar nas instituições, “era o ingrediente mais essencial”, uma base que “é o suficiente para fazer missão”, por isso, dedicaram-se “todos os dias, a todas as horas, todos”.

“Costumo dizer aos missionários atuais que têm sorte de ter muitas atividades à volta mas o essencial é preciso um compromisso interior e a partir dai acontece”, refere, acrescentando que, em 2003, foram “descobrindo à medida que os dias iam passando”, com as pessoas com quem se cruzavam em Coruche, que atividades podiam desenvolver, como “a ideia de fazer um teatro”, que hoje é apresentado às populações nos últimos dias de atividade.

Neste contexto, lembra também que conheceram uma pessoa que trabalhava na rádio que os convidou para animar a emissão e tiveram “dois missionários, todos os dias, a fazer a edição da manhã da rádio (Voz do) Sorraia”.

Foi muito estar à descoberta, estar atento e outro ingrediente muito necessário hoje em dia, as pessoas não saírem já para uma check-list mas, a conforme o que encontremos, estarmos disponíveis”.

Segundo Bernardo Vasconcelos, para além da vontade de se darem, os estudantes queriam também “pôr mais Deus durante o período académico” uma vez que na faculdade “há muitas atividades e solicitações, mas sobre Deus há poucas, ou havia poucas”.

“Lembro-me que na altura, a pequena campanha creio que foi umas folhas A4 coladas no corredor da faculdade que competiam contra uma imensidão de comunicações e de cursos e de ateliês e de conferências, da viagem à neve, que sempre foi o grande concorrente desse período entre semestres”, contextualizou.

Agência ECCLESIA/MC

Atualmente, Bernardo Vasconcelos faz parte do “conselho” do projeto, que “é como a espinha dorsal”, que “garante que a cultura da ‘Missão País’ consegue permanecer durante mais tempo”; Um núcleo de quatro ex-missionários, de “várias gerações” que vai “acompanhando as gerações que vão liderando a chefia nacional” e com quem, por exemplo, começou “expansão da Missão País” que pretende “incorporar” a madeirense ‘Missão Aqui’ no próximo ano académico.

Ao longo desta semana, até sexta-feira, pelas 22h45, o programa ECCLESIA na Antena 1 leva aos ouvintes diversos testemunhos de ‘Missão País’ partilhados por atuais e antigos estudantes universitários.

A atual edição da ‘Missão País’ mobiliza 3377 estudantes missionários, de 55 faculdades, em 60 missões em território nacional, que já começaram no dia 20 de janeiro; Os ciclos da ‘Missão País’ numa localidade têm a duração de três anos, cada um com uma etapa própria: ‘Acolher, transformar, enviar’.

‘Desce depressa! Eu fico contigo’, inspirado na passagem bíblica de Zaqueu, é o tema desta edição que se situa entre a exortação pós-sinodal ‘Cristo vive’, do Papa Francisco, e a edição internacional da Jornada Mundial da Juventude que Lisboa vai receber em 2022.

LS/CB/OC

Igreja/Portugal: Missão País vai levar 3377 estudantes em missão para 60 locais (c/vídeo)

 

 

Partilhar:
Share