Em 2020, iniciativa tem como lema «Desce depressa! Eu fico contigo»

Lisboa, 03 fev 2020 (Ecclesia) – A ‘Missão País 2020’ vai mobilizar 3377 universitários, de 55 faculdades, numa semana de oração e divertimento, entrega e serviço, em 60 locais de Portugal, numa iniciativa de estudantes que nasceu ligada ao Movimento Apostólico de Schoenstatt.

“Uma grande novidade e muito boa, é que para além dos polos do Porto, Coimbra, Lisboa e Évora, este ano Aveiro, Leiria, Santarém e Algarve começaram as suas primeiras missões, depois de um processo de acompanhamento”, disse Joana Sequeira, chefe nacional da ‘Missão Pais’.

Em declarações à Agência ECCLESIA, a estudante da Faculdade de Psicologia adianta que 3377 estudantes missionários, de 55 faculdades, estão envolvidos em 60 missões em território nacional, que já começaram no dia 20 de janeiro.

Os ciclos da ‘Missão País’ numa localidade têm a duração de três anos e Joana Sequeira refere que são “muitas marcas e muito boas”, depois de um triénio em Nisa; 2020 é seu segundo ano em Almeida.

“Posso referir os amigos que se fazem nas missões e é um espírito muito bom que se cria. Para além disso o facto de nesta semana termos uma relação tão boa e tão próxima com Jesus também acabamos por trazer isso para o nosso dia-a-dia”, acrescentou.

Teresa Prazeres, responsável pela área da Comunicação na ‘Missão País’, afirma por sua vez que esta “é uma semana imprescindível no ano académico”, depois de um primeiro semestre em que os participantes estão “muito focados” em si, “no estudo, nos livros, nos cadernos”, naquilo que têm de responder e nas provas que têm de dar.

“Poder parar uma semana para refletir sobre aquilo que é a nossa vida, o nosso ano, como é que está a nossa fé, a nossa espiritualidade. Podermos sair de dentro desta bola para nos abrirmos aos outros, a quem mais precisa, para ter novas relações com outras pessoas que nos cruzamos todos os dias na faculdade e também com as pessoas do local para onde vamos missionar”, desenvolveu a jovem da Faculdade de Ciências Médicas, que já esteve três anos em Alcanena.

O também chefe nacional Miguel Cordovil, estudante do Instituto Superior Técnico, assinala que “todas as experiências são diferentes” e da ‘Missão País’ “saem sempre grandes amizades, importantes”, porque são feitas durante “uma semana muito intensa, com muito serviço, com muito apostolado, em que se fazem coisas muito bonitas”.

‘Acolher, transformar, enviar’ são as etapas da ‘Missão País’ em cada localidade, ao longo do triénio, e Miguel Cordovil contextualiza que são as “três graças”.

(No primeiro ano) não só somos acolhidos inteiramente pela comunidade como, pouco a pouco, começamos a acolher a comunidade nas nossas atividades, na nossa fé; no segundo ano tentamos entrar um pouco mais fundo na vida das pessoas, dar um bocadinho mais de nós, receber mais dos outros; e, no, final termina tudo no envio”.

Joana Sequeira assinala que o dinamismo missionário dos estudantes também fica nas terras de missão e dá como exemplo a criação de “grupos de jovens que começam a ter reuniões todas as semanas”, ou grupos de amigos que começam a visitar o lar.

‘Desce depressa! Eu fico contigo’, inspirado na passagem bíblica de Zaqueu, é o tema desta edição que segundo a organização se situa entre a exortação pós-sinodal ‘Cristo vive’, do Papa Francisco, e a Jornada Mundial da Juventude que Lisboa vai receber em 2022.

O logótipo, a partir do tema, tem “movimento” e Miguel Cordovil explica que o “pequeno Zaqueu que é muito pequenino” em relação à cruz grande “está a descer na direção de fazer qualquer” e, nesse sentido, a cor, o “terracota, é a cor de obra, de construção, o tijolo que constrói uma igreja, que constrói uma missão”.

A iniciativa universitária começou com estudantes ligados ao Movimento Apostólico de Schoenstatt, com 20 jovens em 2003.

PR/CB/OC

Partilhar:
Share