Visita de 10 horas marcada pela memória da religiosa, natural de Skopje

Foto: Lusa

Skopje, 07 mai 2019 (Ecclesia) – O Papa encerrou hoje a sua visita de 10 horas à Macedónia do Norte, país natal de Madre Teresa, com um apelo para que os católicos sejam sempre “solidários, atentos, compreensivos e solícitos” com quem mais precisa.

“Não quero abusar da sua imagem, mas esta terra soube dar ao mundo e à Igreja, em Madre Teresa, um sinal concreto de como a precariedade duma pessoa, ungida pelo Senhor, é capaz de impregnar tudo, quando o perfume das bem-aventuranças se espalha sobre os pés cansados da nossa humanidade”, disse Francisco, num encontro com membros do clero e de institutos religiosos, acompanhados pelos seus familiares, na Catedral do Coração de Jesus, em Skopje.

Perante membros das comunidades de rito latino e rito bizantino da minoria católica (15 mil pessoas, que representam 0,72% da população do país), o Papa pediu aos participantes que não se deixem abater pelo desânimo ou pela “precariedade dos recursos”.

“Irmãos, ‘fazer as contas’ é sempre necessário, quando nos pode ajudar a descobrir e aproximar de muitas vidas e situações que todos os dias sentem dificuldade”, observou, recordando “famílias que não conseguem continuar, pessoas idosas e sozinhas, doentes forçados a estar na cama, jovens tristes e sem futuro, pobres”.

Regressando à figura de Santa Teresa de Calcutá, Francisco realçou que “a história é escrita por estas pessoas que não têm medo de gastar a sua vida por amor.

“Muitas vezes gastamos as nossas energias e recursos, as nossas reuniões, debates e programações para manter abordagens, ritmos, perspetivas que não só não entusiasmam ninguém, mas não conseguem sequer levar um pouco daquela fragância evangélica capaz de confortar e abrir caminhos de esperança”, lamentou o Papa.

Deixemos de lado todos os pesos que nos separam da missão e impedem que o perfume da misericórdia alcance o rosto dos nossos irmãos”.

Foto Lusa

Francisco recomendou muita “ternura” na relação dos sacerdotes e religiosos com todas as pessoas, a “doçura do Evangelho”.

No final do encontro, após a bênção, o Papa deixa a Catedral e segue de carro até o aeroporto de Skopje, para a cerimónia de despedida da Macedónia do Norte.

A viagem de 10 horas contou com uma homenagem no memorial de Santa Teresa de Calcutá e um discurso perante autoridades políticas, no qual Francisco elogiou a diversidade étnica e religiosa do país, pedindo uma maior integração dos Balcãs Ocidentais na Europa; de tarde, o pontífice presidiu a um encontro inter-religioso com jovens, a quem deixou conselhos sobre sonhos e sobre a necessidade de comunicar “cara a cara”

Francisco tornou-se hoje o primeiro Papa a visitar a Macedónia do Norte, etapa final da sua 29ª viagem internacional, que começou este domingo na Bulgária; o regresso a Roma está marcado para as 20h30 (menos uma em Lisboa).

OC

Partilhar:
Share