Francisco respondeu a perguntas dos mais novos, perante 1500 participantes, evocando exemplo de Madre Teresa

Foto: Lusa

Skopje, 07 mai 2019 (Ecclesia) – O Papa disse hoje num encontro inter-religioso com jovens, na Macedónia do Norte, que “nunca se sonha demasiado”, desafiando todos a “dar esperança a um mundo cansado”.

“Não permitamos que nos roubem os sonhos, não nos privemos da novidade que o Senhor nos quer dar. Encontrareis muitos imprevistos, muitos, mas é importante que os possais enfrentar e procurar criativamente o modo de os transformar em oportunidades”, declarou, no Centro Pastoral de Skopje, perante cerca de 1500 participantes.

Francisco deu como exemplo o seu próprio “sonho”, que deu origem ao documento sobre a Fraternidade Humana (Abu Dhabi, 4 de fevereiro de 2019), assinado juntamente com o grande imã de Al-Azhar, Ahmad Al-Tayyeb.

“A fé deve levar-nos, a nós crentes, a ver nos outros irmãos que devemos apoiar e amar sem nos deixarmos manipular por interesses mesquinhos”, precisou.

O Papa defendeu que os jovens devem “sonhar em grande” e “sonhar juntos”, para manter a certeza de que “outro mundo é possível”.

Jovens que dedicam tempo a servir os pobres, defender a vida humana, promover a família; jovens que não se resignam com a corrupção e lutam pela legalidade; jovens que veem a casa comum doente e comprometem-se a torná-la mais limpa. Assim, queridos amigos, sois artesãos de esperança”.

Na terra Natal de Santa Teresa de Calcutá, onde chegou esta manhã, Francisco apresentou aos mais novos o exemplo da religiosa católica, a qual “não cessou de sonhar e esforçar-se sempre por procurar descobrir o rosto do seu grande amor, Jesus, em todos aqueles que estavam à beira de estrada”.

A intervenção falou de jovens “muito conectados e pouco envolvidos uns com os outros” e de crianças a quem falta “brincar juntos”, sem ser diante de um computador.

“Nos anos que tenho (e não são poucos), sabeis qual foi a melhor lição que vi e conheci em toda a minha vida? O ‘cara a cara’. Entramos na era das conexões, mas sabemos pouco de comunicação”, advertiu.

O Papa renovou o seu apelo ao diálogo entre gerações, que considerou um “antídoto” para não ficar fechado no presente.

“Para um coração doente com a resignação, não há remédio melhor do que escutar as experiências dos idosos”, observou.

Francisco pediu ainda um aplauso para todas as grávidas, “mulheres corajosas que fazem avançar a história”.

O encontro contou com depoimentos de um jovem casal católico-ortodoxo, de uma jovem muçulmana e de um jovem rito bizantino católico, intercalados com momentos musicais.

No final, após a recitação da oração de Madre Teresa, e a bênção final, D. Kiro Stojanov, bispo de Skopje, acompanha o Papa até à Catedral do Coração de Jesus, onde se realiza o encontro conclusivo da viagem, com sacerdotes, religiosos e seus familiares.

OC

Precisais das minhas mãos, Senhor,

para ajudar hoje os doentes e os pobres

que delas necessitam?

Senhor, hoje ofereço-Vos as minhas mãos.

 

Precisais dos meus pés, Senhor,

para que me levem hoje

àqueles que necessitam dum amigo?

Senhor, hoje ofereço-Vos os meus pés.

 

Precisais da minha voz, Senhor,

para que eu hoje fale a todos aqueles

que necessitam da vossa palavra de amor?

Senhor, hoje ofereço-Vos a minha voz.

 

Precisais do meu coração, Senhor,

para que eu ame a quem quer que seja

sem exceção alguma?

Senhor, hoje ofereço-Vos o meu coração.

(Oração de Madre Teresa)

Partilhar:
Share