Trabalhadores cristãos defendem que questões laborais devem ser refletidas no processo sinodal convocado pelo Papa

Lisboa, 17 nov 2021 (Ecclesia) – A Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Cristãos (LOC/MTC) em Lisboa assumiu como lema para o ano pastoral em curso ‘A urgência de combater a exclusão dos jovens, no mundo do trabalho’, após a sua assembleia, este domingo.

Os militantes deste organismo pretendem dar o seu contributo e reflexão para o Sínodo’Por uma Igreja Sinodal: comunhão, participação e missão’, convocado pelo Papa , promovendo a reflexão nos grupos de base, de acordo com as orientações do Secretariado Diocesano para o Sínodo.

“É urgente que as questões da dignidade do trabalho façam parte do documento de reflexão a enviar a Roma”, realça uma nota do movimento, enviada à Agência ECCLESIA.

A LOC/MTC pretende contribuir para a “evangelização do mundo do trabalho, tendo particular atenção às condições de vida e de trabalho dos jovens, face à precariedade e ao descarte a que muitos estão sujeitos, apoiando e acolhendo iniciativas que os jovens preparam para levar as questões do trabalho, à Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023.

“Cuidar da Casa Comum” e redescobrir a figura e o ensinamento do Padre Abel Varzim, “como presença da Igreja nas periferias”, constituem objetivos a prosseguir neste ano pastoral.

Na Eucaristia, presidida pelo assistente diocesano da LOC/MTC, padre Mário Faria Silva, e concelebrada pelo assistente nacional, padre Joaquim António Martins, decorreu também a celebração “do compromisso dos novos militantes, evangelizadores do mundo do trabalho”.

As linhas de força a trabalhar situam-se na sequência do trabalho realizado “O centro tem de pensar-se a partir das periferias e não continuarmos a pensar as periferias a partir do centro”.

“A pobreza não é fruto de destino; é consequência do egoísmo”, lembram os militantes da LOC/MTC no Patriarcado de Lisboa, por isso, “olhar para a realidade vivida pelos jovens, o trabalho e a família constitui uma prioridade”.

A Assembleia decorreu no Salão Paroquial de Nossa Senhora do Amparo, em Lisboa, onde foram aprovados o Plano de Ação para 2021-2022, bem como o Relatório e Contas.

LFS

Partilhar:
Share