Conferência Episcopal Portuguesa deseja que seja «estímulo» para celebrar e «viver melhor a Eucaristia»

Foto: Secretariado Nacional da Liturgia

Lisboa, 09 fev 2022 (Ecclesia) – Os bispos católicos em Portugal aprovaram a Nota Pastoral ‘Celebrar e viver melhor a Eucaristia’, relativa à nova tradução do Missal Romano em português, que vai entrar em vigor a partir de 14 de abril, quinta-feira da Semana Santa.

“Esta edição para as celebrações da Missa em língua portuguesa deve ser considerada ‘típica’ para a Igreja peregrina em Portugal, oficial para o uso litúrgico, e poderá usar-se após a sua publicação”, indica o Conselho Permanente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP).

Na nota pastoral enviada à Agência ECCLESIA, os bispos católicos destacam que a nova edição do Missal Romano para Portugal integra o “nobre serviço das artes numa superior arte de celebração”, que é urgente cultivar e incentivar, e exemplificam com as novas gravuras, de um artista contemporâneo, que pretendem “abrir a oração da Igreja à beleza da contemplação”.

“Também por isso se inclui a música nos lugares próprios, onde o canto a reclama, para que na celebração – que deve ser modelar no dia do Senhor e nas festas da comunidade cristã – o canto seja mais a regra do que a exceção”, acrescenta o texto.

A CEP realça que o Missal “não é só um livro”, mas uma ‘coleção’ de livros que inclui, além do Antifonário, o Sacramentário, o Ordinário da Missa e os Lecionários, que na edição em língua portuguesa são oito livros.

Segundo a nota ‘Celebrar e viver melhor a Eucaristia’, a nova edição do Missal Romano, a terceira, introduz uma “mudança pequena”, mas muito significativa no “coração palpitante da Oração Eucarística”, a narração da instituição, onde o verbo ‘benedicere’ passa a ser traduzido por ‘bendizer’ em vez de ‘abençoar’.

A Conferência Episcopal Portuguesa assinala também o “retomar” da tradicional conclusão plena da Oração Coleta – ‘Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus e convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo, por todos os séculos dos séculos’ – e para as restantes orações introduz-se a “cláusula mais breve, tornando-as mais fluentes”: ‘Por Cristo, nosso Senhor’.

De destacar também que a nova edição típica, de São João Paulo II, oferece “novos formulários” no Próprio do Tempo (vigílias da Epifania e da Ascensão), no Santoral (celebrações entretanto introduzidas no Calendário) e nas Missas para diversas necessidades e votivas, já no tempo da Quaresma, cada dia passa a dispor de uma “específica Oração sobre o Povo”, enquanto os formulários do Tempo Pascal “ganham variedade com novas orações tomadas dos antigos Sacramentários”.

Um novo prefácio dos santos mártires vai “enriquecer a ação de graças da Igreja”, no Ordinário da Missa dispõe de maior variedade nas saudações, no ato penitencial, no convite à oração sobre as oblatas, na introdução ao Pai nosso, nas fórmulas de despedida da assembleia no final da celebração.

O Conselho Permanente da Conferência Episcopal Portuguesa informa que a terceira edição portuguesa do Missal Romano foi aprovada no dia 14 de novembro de 2019, e validada pelo Papa Francisco, no dia 8 de janeiro de 2021, em audiência à presidência da CEP.

O Secretariado Nacional de Liturgia, da Comissão Episcopal da Liturgia e Espiritualidade de Portugal, informou hoje a Agência ECCLESIA que o novo Missal ainda não se encontra disponível para venda.

CB/OC

Partilhar:
Share