Iniciativa decorreu na Paróquia de São Tomás de Aquino onde D. Luis António Tagle deu uma conferência, celebrou missa e jantou com os seus conterrâneos

Foto AE/JCP

Lisboa, 10 mai 2019 (Ecclesia) – O arcebispo de Manila, visitou hoje a comunidade filipina em Lisboa, num programa integrado na vinda a Portugal e ao Santuário de Fátima, onde presidirá à peregrinação internacional dos dias 12 e 13 de maio.

Na igreja de São Tomás de Aquino, em Lisboa, D. Luis Antonio Tagle foi acolhido por uma comitiva encabeçada pela embaixadora das Filipinas no nosso país.

Em entrevista à Agência ECCLESIA, Celia Anna Feria destacou “a alegria e o orgulho” do povo filipino em poder acolher aqui o arcebispo de Manila, alguém que mesmo com uma “agenda tão preenchida” não deixou de reservar tempo para estar com os seus conterrâneos.

“É bom quando temos um cardeal assim tão terra-a-terra como D. Luis Antonio Tagle, uma pessoa simples, de trato fácil”, um homem que “mesmo com muito a fazer tenta encontrar tempo para os outros”, realçou aquela responsável, que saudou também a ida do cardeal de Manila a Fátima, numa ocasião que diz muito também ao povo filipino.

Este ano, a peregrinação internacional de maio coincide com as eleições nacionais intercalares nas Filipinas, que vão ter lugar no dia 13 deste mês.

“Termos também esse acontecimento neste dia de Nossa Senhora de Fátima é especial porque vamos poder rezar pelas nossas intenções”, referiu Celia Anna Feria.

Segundo a representante diplomática, no centro das preces do povo filipino neste momento estão sobretudo dois anseios: “que as eleições aconteçam de forma pacífica e que sejam eleitos líderes, em especial membros do Congresso, que guiem da melhor forma os destinos das Filipinas rumo ao futuro”.

“Sabemos que o cardeal Luis António Tagle também irá estar a rezar por nós”, assinalou.

Atualmente a comunidade filipina em Portugal é composta por cerca de 2 mil pessoas, a maior parte das quais a viver em Lisboa.

Sobre a integração dos emigrantes filipinos no território português, a embaixadora das Filipinas destaca um processo que tem decorrido da melhor forma.

Foto: D. Luís António Tagle chegou mais cedo e ficou alguns momentos recolhido em oração, AE/JCP

“Temos muitos casos de filipinos que casaram com cidadãos portugueses, temos também uma segunda geração que também constituiu a sua família aqui. Somos uma comunidade muito ativa e participativa, e a nossa integração foi assim tão fácil porque também partilhamos uma história e uma cultura comum”, apontou Celia Anna Feria.

A diplomata lembrou que foi “o navegador português Fernão de Magalhães quem por exemplo trouxe as primeiras marcas do cristianismo para as Filipinas”.

“Por isso como embaixadora aqui em Portugal, não posso estar mais orgulhosa do modo como a comunidade filipina se tem integrado neste país, como membro ativo da sociedade portuguesa”, complementou.

Durante a sua visita à comunidade filipina de Lisboa, o arcebispo de Manila, que também é presidente da Cáritas Internacional, deu uma conferência sobre “o cristianismo na Ásia”, celebrou missa e jantou com todos os presentes, numa presença sempre marcada pela boa disposição.

De acordo com o capelão da comunidade filipina em Lisboa, padre Jovito Osalvo, hoje estiveram alguns representantes da diáspora das Filipinas presente em Portugal, mas em Fátima, nos dias 12 e 13 de maio, estarão muitos mais.

“Como os portugueses, os filipinos católicos também são marianos, e no dia 13 nas Filipinas também será um dia de festa”, sublinhou o sacerdote.

JCP

Partilhar:
Share