Cruz e ícone mariano vão estar na Idanha-a-Nova e em Santiago de Compostela, na primeira semana de agosto

Foto: Agência ECCLESIA/HM

Lisboa, 26 jul 2022 (Ecclesia) – O presidente da Fundação JMJ Lisboa 2023 sublinhou a importância e o simbolismo dos dois símbolos deste encontro mundial de jovens visitarem o 24.º ACANAC, o acampamento que vai reunir mais de de 18 mil escuteiros, e a Peregrinação Europeia a Santiago de Compostela.

“O CNE, os escuteiros, são fundamentais na logística que temos a desenvolver para as jornadas. A nossa gratidão. Sabemos que o sempre ‘alerta’ vai valer e muito naquilo que significa a disponibilidade, o voluntariado, o empenho e a dedicação do CNE como um todo”, disse D. Américo Aguiar à Agência ECCLESIA e Rádio Renascença.

O Corpo Nacional de Escutas (CNE) – escutismo católico – vai reunir mais de 18 mil escuteiros, no seu 24º ACANAC, que tem como tema ‘Construtores do amanhã’, de 1 a 7 de agosto, no campo atividades escutistas (CNAE), em Idanha-a-Nova.

“É muito importante, temos ali muitos dos destinatários do convite à participação nas jornadas”, realçou o presidente da Fundação JMJ Lisboa 2023.

Os dois símbolos da Jornada Mundial da Juventude, a cruz e o ícone de Nossa Senhora Salus Populi Romani, estão a peregrinar pelas dioceses portuguesas, até agosto de 2023, preparando a JMJ Lisboa, que se vai realizar de 1 a 6 de agosto.

Na primeira do mês de agosto, para além da passagem pelo acampamento do CNE, os dois símbolos também vão estar na Peregrinação Europeia de Jovens (PEJ 2022) a Santiago de Compostela, que se realiza de 3 a 7 de agosto.

“É um pontapé de saída porque será exatamente um ano antes da Jornada Mundial da Juventude em Portugal. Vamos ter a possibilidade de com os espanhóis, com a juventude europeia, ter o ‘countdown’ nos 365 dias para rumarmos à jornada”, assinalou D. Américo Aguiar, lembrando que o cardeal D. António Marto é o enviado especial do Papa Francisco à PEJ 2022.

O presidente da Fundação JMJ Lisboa 2023 recordou que na apresentação da PEJ, o arcebispo de Santiago de Compostela, D. Julíán Barrio, disse que este encontro “é uma ponte, um caminho: Compostela, Lisboa, o mundo inteiro”.

“É esse o convite que o Papa nos faz, mesmo lá no Canadá estamos em comunhão e sempre naquilo que significa o apelo, o desafio, a provocação, que faz ao protagonismo dos jovens. A eles serem capazes de sonhar e de gritarem bem alto os sonhos que têm para nós os ajudarmos a concretizar”, acrescentou.

Até este domingo, a Diocese de Lamego acolhe a peregrinação dos símbolos da JMJ, entregando-os à Diocese de Bragança-Miranda, para a décima etapa da peregrinação em território Portugal, antes da sua passagem pelo ACANAC e pela PEJ.

A peregrinação da Cruz e do ícone Nossa Senhora Salus Populi Romani pela Diocese de Lamego vai estar em destaque na próxima emissão do Programa 70×7, a 31 de julho, a partir das 07h30, na RTP2.

CB/OC

 

JMJ 2023/Lamego: Peregrinação dos símbolos mostra «trabalho notável» da Pastoral Juvenil (c/fotos)

Partilhar:
Share