Jovens são os principais destinatários mas passam por todas as realidades para «tocá-las não só pela oração, mas também pelo vínculo humano»

Foto COD Vila Real

Vila Real, 20 set 2022 (Ecclesia) – A Diocese de Vila Real está a acolher os dois símbolos da Jornada Mundial da Juventude, que terminaram esta segunda-feira um itinerário entre a «Terra Fria» e a «Terra Quente», e chegaram ao Arciprestado Douro II.

“A subida ao Santuário da Santa Comba e o encontro com as instituições, nomeadamente com os jovens na escola secundária foram momentos marcantes”, destaca o Comité Organizador Diocesano (COD) de Vila Real para a JMJ Lisboa 2023 sobre Valpaços.

Num comunicado enviado à Agência ECCLESIA, o COD Vila Real informa que o Arciprestado da Terra Quente recebeu a cruz peregrina e ícone mariano nos dias 17 e 19 de setembro, e passaram por Carrazedo de Montenegro, “com grande mobilização da comunidade local”, para além de Valpaços onde a Eucaristia dominical foi transmitida pela Rádio Renascença.

Antes, no mesmo “espírito de preparação e anúncio” da JMJ Lisboa 2023, que se vai realizar de 1 a 6 de agosto de 2023, em Lisboa, a peregrinação passou pelo Arciprestado Centro II, que correspondente ao concelho de Vila Pouca de Aguiar.

“A experiência de transportar a Cruz peregrina e o ícone de Nossa Senhora Salus Populi Romani foi intensa e passou por diversas instituições para que o maior número possível de pessoas tivesse a oportunidade de participar nesta caminhada”, lê-se.

Para além dos jovens, esta peregrinação pretende contactar “todas as realidades e tocá-las não só pela oração, mas também pelo vínculo humano”; a novidade da passagem dos símbolos pelas paróquias de Vila Pouca de Aguiar proporcionou “momentos de oração, festa e convívio”, de modo particular, junto da população mais idosa, e foi uma oportunidade para a juventude juntar-se “para uma vivência única e experimentar que Deus está no meio”.

Foto COD Vila Real

Segundo o Comité Organizador Diocesano (COD) de Vila Real, a cruz e o ícone mariano passaram pelo Arciprestado do Baixo Tâmega, entre 12 e 15 deste mês, e continuam “com os olhos postos em Lisboa, os símbolos desenharam o caminho”.

Deste itinerário destaca-se a subida ao “alto da Senhora da Graça”, o Monte Farinha, onde ergueram “a Cruz, junto da Mãe, com seus filhos corajosos, em noite agreste e tempestuosa”, desceu-se a Mondim de Bastos, esteve em Cerva e em Ribeira de Pena, com momentos variados de oração do terço, Via-Sacra, uma vigília vocacional, a Eucaristia de envio, visitas a instituições, romagens e um concerto jovem.

O Arciprestado da Terra Fria, a região do Barroso, foi o segundo a receber os dois símbolos e, segundo a organização diocesana, o excerto ‘há pressa no ar’, do hino da Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023, resume a receção realizada de 9 a 12 de setembro.

“Da Serra do Larouco ao Gerês e à Cabreira vivemos momentos únicos de encontro com as comunidades dispersas; Foram dias de muito ânimo, de um desejo enorme de acolher quer a comunidade que se juntou aos jovens para esta receção quer o simbolismo que toda esta caminhada representa para todos nós”, explicam.

Quem viveu estes dias, acrescenta o COD de Vila Real, “nunca mais se irá esquecer das Jornadas Mundiais da Juventude e da fé e dedicação dos jovens”.

peregrinação da cruz e do ícone mariano continua até ao final este mês de setembro em Vila Real, neste momento, estão no Arciprestado Douro II, até dia 22 de setembro.

CB/PR

 

Vila Real: Jovens do Alto Tâmega levaram «esperança e fé num futuro melhor e mais promissor» com os símbolos (c/fotos)

Partilhar:
Share