Vaticano acolhe conferência de dois dias sobre «Roboética: Pessoas, máquinas e saúde»

Cidade do Vaticano, 25 fev 2019 (Ecclesia) – O Papa recebeu hoje em audiência os membros da Pontifícia Academia para a Vida, reunidos em assembleia plenária em Roma dedicada ao tema ‘Roboética: Pessoas, máquinas e saúde’.

Na mensagem que deixou aos participantes, publicada pela sala de imprensa da Santa Sé, Francisco alertou para o “paradoxo dramático” que marca a relação atual entre o Homem e a Tecnologia e destacou a urgência de uma “aliança ética a favor da vida humana”.

Se “por um lado a humanidade possui atualmente a capacidade científica e técnica para atingir uma era de bem-estar generalizado”, ela continua, no entanto, “espartilhada por conflitos e pelo crescimento desmesurado das desigualdades, que ameaça a unidade da família humana e o seu futuro”, apontou o Papa argentino.

Francisco frisou ainda que “a evolução tecnológica tem gerado um encantamento perigoso”, que em vez de “fornecer mais-valias para a subsistência humana”, concorre para “consignar toda a vida à lógica dos dispositivos”, uma lógica destinada a ter “efeitos nefastos”.

Quando “a máquina não se limita a andar sozinha, mas acaba por guiar o Homem”, isso “reduz a razão humana a uma racionalidade alienada dos seus efeitos”, algo que “não pode ser considerado digno do Homem”, alertou.

No campo dos efeitos, o Papa recordou os “danos graves que o uso indiscriminado da tecnologia tem causado ao planeta” e reforçou a “bioética global como uma frente essencial a trabalhar” pela Igreja Católica, em conjunto com toda a sociedade.

“A inteligência artificial, a robótica e outras inovações tecnológicas devem ser colocadas ao serviço da humanidade e da proteção de nossa Casa Comum, e não para o oposto, como infelizmente, preveem algumas estimativas”, referiu Francisco.

O Papa concluiu a audiência aos membros da Pontifícia Academia para a Vida lembrando a cada um o seu “compromisso, intelectual e especialista”, de “prosseguir no estudo e na pesquisa a fim de que a obra da promoção e defesa da vida seja cada vez mais eficaz e fecunda”.

A assembleia plenária da Pontifícia Academia para a Vida, dedicada ao tema ‘Roboética: Pessoas, máquinas e saúde’ decorre entre hoje e terça-feira, no Vaticano, e tem como objetivo debater as questões e as potencialidades da robótica e da genética, entre outras matérias.

Fundada por São João Paulo II, a Academia Pontifícia para a Vida está a assinalar 25 anos de existência e tem reforçado nos últimos anos o objetivo de responder às interrogações suscitadas pelo “crescente ritmo da inovação tecnológica e científica”.

Composto por 151 membros espalhados pelos cinco continentes, aquele organismo destaca-se pelo “compromisso com a promoção e proteção da vida humana em todo o seu desenvolvimento, a denúncia do aborto e da eliminação do doente”.

Recorde-se que em 2020, o Vaticano vai promover uma assembleia sobre a Inteligência Artificial.

JCP

O debate sobre a roboética chega ao Vaticano, para ajudar a definir que rumo a tomar

Partilhar:
Share