Vários grupos em Portugal estão a participar no  Encontro Europeu de Taizé pelos meios digitais

Foto Grupo de Jovens UPS (Unidade Pastoral de Sintra)

Lisboa, 29 dez 2020 (Ecclesia) – A comunidade ecuménica de Taizé está a dinamizar o seu Encontro Europeu de Jovens de final de ano pelos meios digitais e vários grupos em Portugal acompanham o programa à distância e são “sinal de esperança para a humanidade”.

“Estes ajuntamentos de jovens, estes pequenos grupos em todas as iniciativas locais por imensos países do mundo, são um sinal de esperança para todos nós, um sinal de esperança para a humanidade acima de tudo”, disse Guilherme Portela, animador do Grupo de Jovens UPS (Unidade Pastoral de Sintra – Patriarcado de Lisboa) em declarações à Agência ECCLESIA.

O Grupo de Jovens da Unidade Pastoral de Sintra está a participar no Encontro Europeu de Jovens da comunidade Ecuménica de Taizé, que decorre online até dia 1 de janeiro, e está a ser marcado pela tónica da esperança, pela mensagem do prior da comunidade para 2021, como pelas mensagens que o Papa Francisco e outros líderes religiosos cristãos e políticos enviaram para os jovens.

“Nós jovens acabamos por ser sinais de esperança, uns para os outros. O estilo de vida de cada um acaba sempre por influenciar todos os outros e é espetacular ver como apesar de não ser em Taizé ainda há gente que quer saber de nós, do mundo, que quer caminhar para a frente, há gente boa e nem tudo é mau como dizem nas notícias, a maior parte são coisas menos boas”, desenvolveu Guilherme Portela.

Na Paróquia de Santa Maria no Barreiro (Diocese de Setúbal), o catequista André Saraiva reuniu um pequeno grupo de jovens que estão em preparação para o Crisma e também destaca que esta participação “é a sensação que podem ser esperança no mundo e não é preciso um projeto megalómano mas pequenas ações e cuidado com o próximo”.

“Permite ver que não estamos sozinhos no desejo de querer fazer bem aos outros e os jovens podem pensar que são os únicos, é saber que não estão sozinhos e perceber que as pequenas coisas contam e muito, chegamos à conclusão que em grupo conseguimos sempre ir mais longe, tocar outras pessoas, conseguimos mais facilmente superar o cansaço e temos sempre o apoio dos outros e a esperança que os outros no dão”, desenvolveu.

Desde domingo, 27 de dezembro, até 1 de janeiro, a comunidade monástica de Taizé transmite “todo o programa” do Encontro Europeu de Jovens online para “permitir a participação de jovens de todo o mundo” nas “orações comunitárias, ateliês e meditações bíblicas”.

“Mesmo não estando em Taizé sentimos que estamos a remar para o mesmo lado, estamos todos ali para Deus e estamos todos unidos em oração não só no nosso grupo mas todas as pessoas de todo o mundo”, destacou Guilherme Portela.

O Grupo de Jovens UPS, com elementos do Lourel, do Linhó, de Sintra e de Algueirão, começam cada dia nas suas casa e os 11 participantes do encontro reúnem pelo ZOOM para a oração da manhã e a reflexão bíblica e da parte da tarde assistem ao workshop “todos juntos” e rezam a oração da noite no salão da igreja de São Miguel, dando “sempre um tempo até às 19h00 para continuar em vigília, oração e mesmo algum convívio”.

O animador Guilherme Portela explica que nunca participaram num encontro de final de ano da comunidade ecuménica mas o Grupo de Jovens UPS anualmente vai a Taizé e o encontro online tornou-se uma “boa proposta de trazer Taizé no formato do encontro europeu”.

“Está a ser ótimo, muito bom, todos estão a participar de forma ativa e completamente dispostos a experimentar em parte o que se vive numa semana em Taizé, com as três orações diárias, as reflexões bíblicas. Está um grupo muito unido e muito alegre nesta vivência. Aos estarmos todos os dias juntos, ao caminharmos na oração, nas reflexões vai unir muito mais o grupo e para além de nos ficarmos a conhecer muito mais a nível pessoal e espiritual vai permitir uma união muito maior”, desenvolveu.

No Barreiro, André Saraiva adianta que o grupo de preparação do Crisma reúne da parte da manhã, para as duas orações e a reflexão bíblica, onde respondem “às perguntas/desafios em grupo”, na igreja paroquial de Santa Maria que abre portas a toda à comunidade para a oração da noite, às 21h00, “para permitir a participação de quem não tem férias”.

O catequista explica que quiseram participar no encontro de Taizé para “permitir aos catequisandos uma experiência de espiritualidade diferente” e terem oportunidade de “estarem num encontro com mais tempo do que as sessões de preparação do Crisma e a dinâmica de Taizé permite isso”.

“Que desperte vontade de querer ir mais além, o encontro permite abrir portas que durante o caminho da catequese é mais difícil, com horários e programas a cumprir, conteúdos a dar. A esperança é que no encontro com Deus e com os outros haja vontade de voltar, de estar e crescer em comunidade”, destacou André Saraiva.

No seu sítio online, a comunidade ecuménica publicou uma lista com as iniciativas locais que se associaram ao encontro em diversos países; Em Portugal a informação é de grupos na área metropolitana de Lisboa, mas, por exemplo, na Diocese do Porto, o Secretariado Diocesano da Pastoral da Juventude também está a promover a participação dos jovens no Encontro Europeu de Jovens, nas orações e introdução bíblica, num espaço na igreja do Bonfim.

CB

Partilhar:
Share