Francisco foi «buscar um pobre pároco» valorizando o «trabalho dedicado e silencioso» de cada um, afirmou o sacerdote

Foto Paróquia de Castelões de Cepeda/Paredes, D. Vitorino Soares

Porto, 17 jul 2019 (Ecclesia) – O Papa Francisco nomeou hoje bispo auxiliar do Porto o padre Vitorino José Pereira Soares, pároco de Castelões de Cepeda e de Madalena, em Paredes, informou a Nunciatura Apostólica em Portugal em comunicado enviado à Agência ECCLESIA.

Natural da Diocese do Porto, D. Vitorino Soares nasceu em Penafiel, a 19 de outubro de 1960, foi ordenado sacerdote a 14 de julho de 1985 e é o mais velho de cinco irmãos, um dos quais também sacerdote, o padre Avelino Jorge Pereira Soares, pároco em Rio Tinto.

Sobre o futuro da sua missão, o novo bispo auxiliar do Porto realça o exemplo que tem encontrado no trabalho de D. Manuel Linda e também no pontificado do Papa Francisco.

O Papa argentino que propõe como modelo de bispo alguém que “muitas vezes vai à frente do povo para apontar uma estrada, manter uma esperança viva, outras vezes é alguém que vai no meio do povo de forma simples e misericordiosa, e finalmente alguém que vai atrás, acompanhando os últimos, aqueles que têm mais dificuldade em andar”, recorda D. Vitorino Soares.

Na saudação à Diocese do Porto, D. Vitorino Soares expressou alegria e “sentido de responsabilidade” pela nomeação do Papa Francisco, que considera um “dom” e um “desafio”.

“Este dom e este desafio, não são só meus, por isso, também os partilho com toda a Diocese do Porto e agradeço ao Papa Francisco este gesto de confiança. Deus com o Seu Espírito me fortaleça neste novo serviço e me ajude a corresponder com as minhas pobres limitações”, afirmou.

O novo bispo auxiliar do Porto diz que se sentiu “muito pequenino” quando recebeu o convite do Papa Francisco, manifestou “fidelidade, cooperação e solicitude” para com o bispo diocesano, D. Manuel Linda, afirmando que vai continuar a trabalhar como “humilde irmão no episcopado”.

D. Vitorino Soares dirigiu-se também aos atuais bispos auxiliares do Porto, D. Pio Alves e D. Armando Esteves, desejando que o acolham “como irmão menor” e que o “ajudem a “aprender a caminhar como Bispo”.

“O Papa Francisco ao ir buscar um pobre pároco, dá-nos um sinal, que eu gostaria de partilhar com todos os párocos, vendo em mim cada um deles, no trabalho dedicado e silencioso, que sustenta uma boa parte da vitalidade pastoral”, acrescentou.

D. Vitorino Soares disse também que, no contexto do Ano Missionário, deseja “contribuir para uma comunhão missionária na Igreja”.

“’Somos todos discípulos missionários’, cada um a seu modo, mas não esqueçamos que mestre há um só, o Bom Pastor”, referiu o novo bispo auxiliar.

Como sacerdote da Diocese do Porto, Vitorino Soares trabalhou no Seminário do Bom Pastor, entre 1984 e 1987, e no Seminário Maior, entre 1989 e 1994.

Capelão militar de 1987 a 1989, o padre Vitorino dedicou 10 anos do seu trabalho pastoral aos jovens, sendo diretor do Secretariado Diocesano da Juventude entre 1989 1999.

Em 1994 assumiu a paróquia de Castelões de Cepeda, em Paredes, e em 1999 a de Madalena, na mesma vigararia.

“A Paróquia, aqui em Castelões de Cepeda 25 anos também, ajudou-me de facto, não digo trunfo, mas a ser pastor e a estar com as pessoas, acompanhá-las. As pessoas também me ajudaram a ser pastor, o rebanho ajudou-me a ser pastor”, destaca o novo bispo auxiliar do Porto, nas primeiras declarações depois de ter sido tornada pública a sua nomeação.

Sobre os 10 anos que passou à frente do Secretariado Diocesano da Juventude, D. Vitorino Soares sublinha um tempo que o ajudou a viver “a escola da vida que é a escola da realidade” e a ter atenção também a tudo o que implica o “acompanhamento” das pessoas, ao “estar com as pessoas”.

A ordenação episcopal de D. Vitorino Soares deverá decorrer no dia 29 de setembro, na catedral diocesana, indica o bispo do Porto, D. Manuel Linda, na saudação dirigida ao novo bispo auxiliar da diocese.

PR

Partilhar:
Share