D. João Lavrador quer potenciar as novas tecnologias ao serviço da formação permanente na Igreja insular

Angra do Heroísmo, Açores, 27 mai 2020 (Ecclesia) – O bispo de Angra manifestou a intenção de promover uma maior utilização das tecnologias digitais para a formação de diáconos permanentes e “dos diversos ministros”.

“Eu sonho, por exemplo, com uma formação de diáconos permanentes à distância; com uma formação dos diversos ministros à distância, que seria tão bonito e tão útil no nosso contexto”, referiu D. João Lavrador, citado pelo portal diocesano ‘Igreja Açores’.

Numa entrevista no âmbito do 54.º Dia Mundial das Comunicações Sociais, que a Igreja Católica assinalou este domingo, o bispo de Angra afirmou que se podem “tirar dividendos dos meios digitais e pô-los ao serviço da formação”, sem baixar a sua qualidade “com rigor, com uma formação exigente”.

“Quando digo no final das Jornadas de Teologia ou nas Jornadas do Instituto Católico de Cultura que não podemos ficar encerrados na sala é isso que quero dizer: é preciso levar mais longe esta formação e para isso, precisamos de colocar as novas tecnologias ao serviço deste desígnio. É isto que nós estamos a tentar fazer”, desenvolveu.

O presidente da Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais, da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), salientou que, neste tempo de pandemia de Covid-19, “a Igreja se reinventou” e aproveitou para ficar “mais próximos das pessoas, uns dos outros”, através dos meios digitais.

“Isso desafia-nos para uma nova postura. O digital não substitui a presença e nós temos de ser capazes de, garantindo uma presença física, podermos também crescer a nível digital”, acrescentou.

Para o bispo de Angra e dos Açores, quando for possível ultrapassar o isolamento que a pandemia do coronavírus exige também as redes sociais e o mundo digital “serão importantes para promover a participação”.

“Há de chegar o dia em que daremos de novo o abraço da paz, em que nos saudamos à entrada e à saída da igreja e nem por isso, por despertarmos e fomentarmos o sentido de comunidade, as redes digitais hão de perder a sua importância”, concluiu D. João Lavrador, informa o ‘Igreja Açores’.

Nós precisamos de participar nos afetos; O que estamos a viver é desumano – ficarmos privados de nos abraçar e de nos beijar – mas fizemos isto em nome de um bem maior”.

A Igreja Católica celebrou o 54.º Dia Mundial das Comunicações Sociais, este domingo, com o tema “‘Para que possas contar e fixar na memória’ (Ex 10, 2)”.

CB/OC

Igreja/Media: Redes sociais e plataformas digitais foram auxílio «muito grande» na transmissão da mensagem – D. João Lavrador

Partilhar:
Share