Artista que faz imagens «com a Bíblia ao lado» inaugurou a «Via Cruxis» na Paróquia de São Tomás de Aquino, em Lisboa

Lisboa, 26 set 2020 (Ecclesia) – A Paróquia de São Tomás de Aquino, em Lisboa, inaugurou hoje a “Via Cruxis” de Ilda David, uma artista que sente “grande alegria” em “fazer imagens com a Bíblia ao lado” e considera as pedras “um material inspirador incrível”.

“As pedras são um material inspirador incrível, pelas cores, e dão uma grande vontade de desenhar em cima delas, desenhar com elas”, afirmou a artista à Agência ECCLESIA após a bênção do painel com as 14 estações da Via Sacra, numa cerimónia presidida por D. Américo Aguiar, bispo auxiliar de Lisboa.

Utilizando a técnica dos painéis instalados no mesmo templo, um de São Tomás de Aquino e outro de São Vicente de Paulo, em 2016, e um terceiro da Árvore da Vida, em 2017, a artista “coloca lado a lado pequenas tesselas de diferentes cores, que constroem as imagens alusivas às 14 estações” com as personagens, os gestos e os objetos da Via Sacra“ e que são os elementos principais de cada painel”, refere a paróquia em comunicado.

Ilda David recorda que esta forma de representação “começou há muito tempo”, com intervenções nesta igreja e na Catedral de Bragança, e tem origem nos primeiros anos em que trabalhou, na Escola de Belas Artes, com João Cutileiro, durante “muito pouco tempo”.

“Ele fazia mosaicos de pedra e eu ajudei e aprendi um bocadinho. Durante muito tempo não desenvolvi esse processo e agora veio ao de cima”, referiu.

Ilda David manifestou uma “grande alegria” em fazer imagens a partir da Bíblia, que considera uma inspiração para outras obras.

“Fazer imagens com a Bíblia ao lado dá-me sempre uma grande alegria e é o ponto de partida para outras obras que não nascem ligadas à Bíblia, mas também estão inspiradas”, afirmou.

Para a artista, “a Bíblia é tão rica de registos que pode-se estar sempre a trabalhar com essa inspiração”.

A “Via Cruxis” de Ilda David oferece “dois registos” a quem a observa, um “mais evidente” do “caminho de Jesus” para o Calvário e “depois há uma narrativa, que começa no Génesis e acaba no Apocalipse”, com passagens “cravadas na pedra com um estilete”, que são imagens “para ver muito próximo”, explicou a artista.

Foto Agência Ecclesia/HM, Padre Nélio Pita

Para o padre Nélio Pita, eleito superior provincial da Congregação da Missão (padres vicentinos) e que este domingo é substituído como pároco na paróquia de São Tomás de Aquino, a Igreja tem de usar a “linguagem da beleza” para “continuar a comunicar com o mundo”.

“É muito interessante que a história de Nosso Senhor Jesus Cristo continue a ser reescrita, redita de muitas formas através da música, da literatura, da arte, da pintura e arte plástica. E esta é uma forma extraordinária de contar, através da beleza, esta história de amor”, afirmou à Agência ECCLESIA.

O acolhimento às artes, na Paróquia de São Tomás de Aquino, tem uma grande expressão também na música, manifestada nesta cerimónia de inauguração da “Via Cruxis” de Ilda David com a apresentação de um “Stabat Mater” de Alfredo Teixeira, “construído a partir de fragmentos da poesia portuguesa contemporânea”, como referiu o compositor, e apresentado pelo Ensemble São Tomás de Aquino.

HM/PR

Partilhar:
Share