Foto: Diocese de Viseu

Este é o dia que fez o Senhor fez!

Exultemos e cantemos de alegria. Aleluia! Aleluia!

Caríssimos irmãos e irmãs, vós mais pequeninos, caros jovens, a paz esteja convosco!

Foi esta a grande saudação de Cristo Ressuscitado.

Cristo Ressuscitou verdadeiramente! Aleluia! Aleluia! Celebremos com fé, esperança e alegria a Ressurreição de Jesus, o nosso Cordeiro Pascal, que foi imolado. Aleluia! Aleluia!

Adoremos o Senhor Jesus Cristo, o Vivente, que venceu o pecado e a morte e celebremos a vida nova que nos foi dada e aspiremos às   coisas do alto.

Tudo o que era velho e sem sentido para nós e para o mundo morreu, mas em Cristo tudo se renova na fonte batismal da água viva. Ele lavou-nos e purificou-nos com o dom do Espírito Santo, o Ressuscitado.

Por isso, como cristãos devemos pregar Cristo morto e Ressuscitado.

A pregação de São Pedro ao anunciar que Jesus morreu e ressuscitou dos mortos, resulta do mandato recebido do Senhor. A sua experiência assenta no testemunho de Ele próprio teve de se ter sentado à mesa com o Ressuscitado, de ouvir as suas palavras, de comer com Ele e de ser enviado ao mundo a anunciar a boa nova de Jesus, “aquele que passou a vida a fazer o bem”. Isto leva agora Pedro na sua pregação a anunciar Jesus Cristo Ressuscitado.

Ele veio para dar a vida aos mais abandonados, aos infelizes da sociedade, aos infetados do Covid-19, a nós que nós sentimos camo “as ovelhas perdidas da casa de Israel”, que esperam a nova primavera para se libertar.

Jesus mandou aos apóstolos pregar e anunciar a sua Ressurreição. Deus ressuscitou-o ao terceiro dia e permitiu-lhe manifestar-se às testemunhas que de antemão tinham sido designadas por Deus.

Ouvíamos na segunda leitura, que como batizados devemos aspirar às coisas do alto. Se ressuscitastes com Cristo aspirai às coisas do alto…

Afeiçoai-vos às coisas do alto e não as da terra. Caríssimos irmãos e irmãs temos que aspirar às coisas do alto e aqui uma grande lição do Senhor Ressuscitado, Ele pede nos muito, pede-nos a vida até às últimas consequências, para que o mistério Pascal aconteça na nossa vida. A Páscoa ao trazer-nos a vida nova, a alegria, também nos traz surpresas e notícias marcantes pelo seu impacto.

Nesta manhã, fomos também surpreendidos com a notícia da morte do nosso Ex.mo Senhor Presidente da Câmara de Viseu, Dr. António de Almeida Henriques. Que Deus o recompense pelo dom da fé e pelo trabalho realizado em favor de todos os seus munícipes. Estamos com a sua esposa, filhos, mãe, sogra, familiares, colaboradores e amigos. Apresento-lhes a todos os meus sentidos pêsames e rezo pelo seu eterno descanso. Ao vice-presidente da Câmara de Viseu, vereadores em exercício, apresento os meus pêsames e muita fortaleza por tão sentida perda humana. Nesta manhã recebia também a notícia da morte da mãe de um dos nossos seminaristas. Este celebrou connosco a Vigília Pascal. Que Jesus Ressuscitado acolha no Seu Reino a sua mãe. Apresento os meus pêsames à família envolvida no luto e em sofrimento Mas não quero neste dia ficar por aqui, na nossa cidade, por estas terras, quero que o nosso olhar vá mais longe e chegue aos irmãos de Timor Leste, povo a sofrer por causa das cheias, às vítimas do atentado que ocorreu há oito dias junto da Catedral da Indonésia, e ao povo de Cabo Delgado, Pemba, Moçambique, onde o sofrimento, a morte e os deslocados contrastam com a esperança da Páscoa. Por tantos países e povos que continuam marcados pelos sinais de Sexta-Feira-Santa, à espera que chegue a Páscoa.

Cristo Ressuscitado está connosco e nunca nos abandona…

Ouvíamos no Evangelho, que no primeiro dia da semana, de manhãzinha Maria Madalena e as outras mulheres foram ainda escuro, foram ao sepulcro e viram a pedra retirada.

O sepulcro está vazio… Cristo Ressuscitou e esta é a esperança e a certeza da nossa fé.

Maria Madalena vai anunciar a Pedro e a João, o discípulo predileto, o que aconteceu dizendo: “Levaram o Senhor do sepulcro e não sabemos onde O puseram”. Eles vão ver o sepulcro, para saber o que tinha acontecido. Pedro entrou no sepulcro e viu as ligaduras no chão e o Sudário que estava enrolado à parte. Lembremos que o Sudário foi o lençol que envolveu o Corpo de Jesus e onde Ele quis imprimir a sua marca, a sua identidade e a sua fisionomia. Entrou com Pedro também o outro discípulo, que chegara primeiro ao sepulcro: viu e acreditou.

Verdadeiramente ainda não tinham entendido a Escritura, segundo a qual Jesus devia ressuscitar dos mortos” (Jo 20,1-9).

Ele passou pelo sepulcro, mas como tinha anunciado aos seus discípulos, três dias depois da sua morte havia de ressuscitar. Diante do templo de Jerusalém, Ele disse aos Judeus: “destruí este templo, que Eu em três dias e reedificarei”. O Evangelho diz, que estava a referir-se ao templo do seu Corpo.

Ao ressuscitar dos mortos Jesus dá-nos a certeza de que a vida divina destrói a morte e o pecado, mas torna-se para nós a certeza de uma vida nova que só a Páscoa cristã pode garantir com segurança, pois esta é a festa central da Igreja. Jesus quer abrir o nosso coração como fez com os discípulos de Emaús para nos fazer entender, que a Páscoa e a Ressurreição de Jesus são a festa da fraternidade universal, da partilha do pão com todos. Na Eucaristia oferece-se vivo e Ressuscitado a cada um de nós.  Partilhemos o folar da Páscoa, sinal da alegria nova, da vida nova, do pão novo, da comunhão, da esperança e da paz com todas as pessoas de boa vontade, Anunciemos ao mundo de hoje, que Jesus está vivo, porque Ressuscitou! Aleluia! Aleluia! Os discípulos viram e acreditaram.

Este é o dia glorioso / Em que Cristo triunfou / Na alegria da mais bela primavera! (Hino Pascal).

Na Páscoa, estejamos mais atentos / A “dizer palavras de incentivo, / Que reconfortam, consolam, / Fortalecem, estimulam, em vez de palavras que humilham, / angustiam, irritam desprezam” (Papa Francisco, Fratelli Tutti, 223).

Cristo Ressuscitado:

Abre o meu coração e o dos meus irmãos, ao mistério da Tua Páscoa de amor e de paz.

Que os meus ouvidos escutem o anúncio solene e festivo da Páscoa entoado na “Sequência” ou no “Aleluia”.

Cristo Ressuscitou verdadeiramente e está vivo. Aleluia!

Que a minha voz e a dos cristãos anunciem o Teu Evangelho ao mundo e os meus lábios saboreiem a melodia festiva do Aleluia, que proclama com alegria a Ressurreição de Jesus. Que diga ao mundo, que Ele está vivo e precisa das nossas mãos e dos nossos pés para levar a todos a boa notícia de que Cristo Ressuscitou.  Pede-nos para transformar a nossa vida e a dos nossos irmãos na construção da civilização nova do amor, que Tu inauguraste na noite Santíssima da Páscoa.

“Ele manifestou-se no caminho de Emaús e caminha connosco na vida! Ilumina o nosso coração, alimenta-nos com a Eucaristia e enche a nossa vida de Esperança” (Boas Festas, D. António Luciano, Bispo de Viseu).

Que Cristo Ressuscitado aumente sempre a nossa fé!

“A páscoa é a festa da vida, da esperança, da alegria, do acolhimento, da fraternidade e na paz (…). A experiência do pó da terra e do sepulcro com a pedra rolada e vazio mostra a finitude da vida humana, que Jesus superou ao germinar a vida nova e a produzir frutos abundantes de caridade. Na manhã radiosa do terceiro dia, na Sua Páscoa, ele Ressuscitou como tinha prometido aos seus discípulos. Venceu o pecado e a morte e ofereceu-nos a vida nova em plenitude e abundância” (D. António Luciano, Mensagem da Páscoa 2021) .

Na alegria pascal desejo aos doentes, aos presos, aos marginalizados, aos que sofrem, aos cuidadores, às famílias, às crianças, aos jovens, aos que estão de luto, às comunidades, às instituições e serviços, às IPSS, ao Vice- Presidente da Câmara de Viseu e Vereadores em exercício, os meus pêsames e conforto espiritual, aos emigrantes, aos deslocados e aos refugiados Santas Festas de Páscoa em Cristo Ressuscitado.

Jesus está vivo! Não tenhais medo, porque Ele é a nossa paz e a nossa esperança diante dos problemas do mundo.

Com Maria, a Senhora da Alegria, com São José e São Teotónio, desejo a todas as pessoas de boa vontade e a todos vós, votos de Felizes e Santas Festas de Páscoa. Ámen!

Cristo Ressuscitou verdadeiramente! Aleluia! Aleluia!

 

4 de abril de 2021

D. António Luciano dos Santos Costa

Bispo de Viseu

 

Partilhar:
Share