Projeto «Ponte», quatro semanas de voluntariado e «intrarail missionário» foram cancelados este ano

Lisboa, 28 jul 2020 (Ecclesia) – O padre Hugo Ventura, da Congregação do Espírito Santo (Espiritanos), disse que mobilizaram os ‘Jovens Sem Fronteiras’ para atividades de voluntariado na sua região depois de cancelarem e adiarem as iniciativas missionárias deste verão por causa da Covid-19.

“Participando em projeto de solidariedade, ajudando na alimentação, na distribuição, na confeção junto das Cáritas diocesanas ou das Obras Vicentinas”, explica o responsável pelo movimento ‘Jovens Sem Fronteiras’, em declarações à Agência ECCLESIA.

O padre Hugo Ventura assinala que, na região do Porto, os jovens do movimento católico “estão a tentar” ajudar projetos que funcionam com voluntários, enquanto em Lisboa é pedido para “integrarem o dia-a-dia” da IPSS Centro Padre Alves Correia (CEPAC), ligada aos Missionários Espiritanos, que procura apoiar emigrantes e refugiados.

Os ‘Jovens Sem Fronteiras’ foram também incentivados a participar noutras atividades, como “proteção da floresta” para serem “olheiros e cuidadores” da natureza.

Habitualmente, o movimento juvenil ligado à Congregação do Espírito Santo dinamiza neste período de férias quatro semanas missionárias, que juntavam até 20 jovens durante 10 dias “numa paróquia em contexto de mais isolamento ou maiores necessidades”, mas com a pandemia do coronavírus Covid-19 “não haveria condições para em responsabilidade andar com mobilidade de pessoas”.

Outra atividade de verão cancelada foi um ‘intrarail missionário’ em Portugal e o projeto de missão internacional ‘Ponte’, que este ano era na Amazónia, mas “foi necessário adiar para 2021”.

“Os jovens quando participavam destas atividades era como a ‘cereja no topo do bolo’; Depois de algum desgaste por causa dos estudos ou do trabalho, de tantas outras circunstâncias mais pessoais, era uma possibilidade de se juntar com jovens do país num contexto concreto e deixar-se desafiar pela missão daquela região, ser capaz de viver uma vida em grupo”, desenvolve o padre Hugo Ventura.

O missionário Espiritano salienta que estas iniciativas eram uma “experiência humana e de fé intensa”, de oração, de apostolado, “de entrega, de alegria, de vivência comunitária”.

“Este tempo há um sentir que estes jovens desejam que isso aconteça, mas mesmo os mais novos, a gente sente com algum receio, algum cuidado. É bom que todos tenhamos esse cuidado, mas é importante que essa missão seja vivida mesmo neste ambiente, cuidando, tomando as devidas precauções, mas também tentando ser um rosto missionário junto daqueles que mais sofrem nesta ocasião”, acrescenta o sacerdote, esta noite, no programa ‘ECCLESIA’, na Antena 1 da rádio pública, a partir das 22h45.

Neste contexto, assinala que a proximidade pode realizar-se num “telefonar, poder dialogar com alguém mesmo com distância” e a há muitas pessoas que “precisam desta atenção”.

Segundo o padre Hugo Ventura, responsável pelos ‘Jovens Sem Fronteiras’, movimento ligados à Congregação do Espírito Santo, vive-se “um tempo muito válido para pensar na vida e na própria missão de cada um”, enquanto batizados, para não se ficar por modelos fechados.

Esta semana o programa ‘ECCLESIA’, na Antena 1 da emissora pública, é dedicado aos projetos de voluntariado e de serviço dedicados aos jovens em tempo de férias e que tiveram de se reorganizar e adaptar à pandemia de Covid-19.

LS/CB/OC

Partilhar:
Share