Encontro dedicado à JMJ 2023, que vai decorrer em Lisboa

Fátima, 16 jun 2021 (Ecclesia) – O processo de evangelização no projeto ‘Sementes’, da Arquidiocese de Braga, e o projeto intergeracional ‘Adota um avô’, da Diocese de Portalegre-Castelo Branco, foram hoje apresentados aos bispos católicos, nas Jornadas Pastorais do Episcopado, em Fátima.

Rita Santos explicou à Agência ECCLESIA que o projeto ‘Adota um avô’ surgiu em março de 2020, no contexto da pandemia de Covid-19, para unir jovens aos idosos e “combater o desânimo e o isolamento”.

“Estávamos sujeitos às condições mas não era desculpa para pararmos. O projeto começou com chamadas telefónicas de jovens maiores de idade para os idosos, todos os dias da semana, ou quatro, cinco vezes”, acrescentou, no final das jornadas.

Segundo Rita Santos, o projeto intergeracional teve destaque nos meios de comunicação social e “foi crescendo”, no final conseguiram “28 pares e bastantes em espera”.

No Natal de 2020, o Secretariado da Pastoral da Juventude da Diocese de Portalegre-Castelo Branco reinventou o projeto e escreveram postais para os idosos nos lares, porque “não havia visitas, e não podiam ir passar o Natal a casa”.

“Novamente superou a expetativa, com mais de 500 voluntários e entregamos mais de 1600 postais. Depois continuamos com alguns lares na Páscoa e agora temos intenções de continuar”, acrescentou a jovem.

Da Arquidiocese de Braga, Maria Amorim apresentou o projeto de voluntariado de curta duração ‘Sementes’, destinado a estudantes da Universidade do Minho.

“Os estudantes universitários têm um percurso de formação cristã, essencialmente, ao longo de nove meses e, depois, partem para uma missão de voluntariado durante as férias de verão para países africanos em vias de desenvolvimento”, explicou à Agência ECCLESIA, acrescentado que aceitam “todas as pessoas independentemente da religião”.

Maria Amorim, que é a coordenadora do ‘Sementes’, assinala que há muitos jovens que “nunca contactaram ou tiveram conhecimento sobre Cristo” e no projeto começam a “abrir portas sobre a vida que Cristo teve na sociedade” e de que forma a sua vida “pode ser um projeto de vida” para eles.

Fátima Zorro integra o projeto da Pastoral Universitária da Arquidiocese de Braga, desde dezembro de 2020, porque “queria fazer voluntariado” e com o passar do tempo foi “descobrindo a sua conotação cristã” e envolveu-se cada vez mais.

“Descobri várias coisas ao longo destes últimos meses, tinha-me afastado da Igreja, mesmo tendo feito o Crisma, e foi uma reaproximação de uma maneira que não estava à espera: Foi mesmo transformador, e é isto que faz com queiramos sempre voltar, continuar e fazer o nosso melhor”, referiu à Agência ECCLESIA.

Estes dois projetos, e os ‘Encontros TALITHA KUM’, em Coimbra, foram apresentados como experiências de receção do Sínodo dos Bispos (2018) dedicado aos jovens e à evangelização, num caminho para a Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023.

“Às vezes, não sabemos muito bem como é que podemos utilizar a nossa capacidade, queremos ajudar mas não sabemos como, queremos cuidar mas não sabemos se calhar da melhor forma ou a quem é que nos devemos de unir. O objetivo deste projeto também foi dar esse caminho”, indicou Rita Santos, do projeto ‘Adota um avô’.

As Jornadas Pastorais do Episcopado Português, iniciadas na segunda-feira, tiveram como tema ‘A receção do Sínodo dos Bispos sobre os jovens e a Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023’.

O encontro teve como orador o padre salesiano Rossano Sala, que foi secretário especial para a XV Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos sobre os jovens, a fé e o discernimento vocacional, de 2018.

O religioso é atualmente docente de Pastoral Juvenil na Universidade Pontifícia Salesiana.

LS/CB/OC

JMJ Lisboa 2023: Preparação do encontro está a provocar «revigoramento da pastoral juvenil» em Portugal – D. Manuel Clemente

Partilhar:
Share