Jesus é hoje uma voz «desperdiçada e ignorada», frisou D. Luis Antonio Tagle na vigília da peregrinação internacional de maio

Fátima, 12 mai 2019 (Ecclesia) – O arcebispo das Filipinas destacou a urgência de reencontrar a voz de Cristo, num tempo marcado por outras ideologias e alternativas que «mais facilmente seduzem» mas também mais rapidamente «abandonam» as pessoas.

Na homilia da Missa da Vigília do dia 12 de maio, em Fátima, D. Luis Antonio Tagle frisou que hoje a voz de Jesus é muitas vezes “desperdiçada e ignorada”, quando só ela indica o caminho “para a plenitude da vida”.

“Na nossa vida de todos os dias, estamos seduzidos por outros pastores humanos, em cujas palavras mais facilmente acreditamos do que nas de Jesus. Preferimos a proteção da riqueza, das armas, do poder e da glória terrestre”, apontou o cardeal filipino, que preside às celebrações da peregrinação internacional de maio, na Cova da Iria.

O responsável católico criticou durante a vigília desta noite, perante centenas de milhares de fiéis que acorreram ao recinto do Santuário de Fátima, uma cultura que privilegia o material e o efémero em vez do que perdura, do que é “eterno”.

“Estamos familiarizados com as vozes de pastores terrenos, de cantores, de estrelas de cinema, de publicitários, de políticos (…) Depositamos a nossas confiança nos pastores deste mundo, na sua proteção, mas muitos destes pastores abandonam-nos quando os seus interesses pessoais e as suas vidas são postos em causa”, alertou.

Para o arcebispo de Manila, é urgente mudar o paradigma de uma vida regida por “estilos e tendências da moda”, que prometem uma vida fácil e cómoda, porém vazia de conteúdos e objetivos humanos.

“Jesus não nos guia apenas para encontrar comida ou para encontrar abrigo, mas para a vida”, frisou o também presidente da Cáritas Internacional, que deixou um repto a todos os peregrinos.

“Escutemos Jesus, olhemo-Lo, amemo-Lo e sigamo-Lo para a vida eterna. A vida eterna não está apenas no futuro. Já no presente, sempre que ouvimos a palavra de Deus, que rezamos e participamos na Eucaristia e servimos os outros, entramos na vida eterna. Quando vemos e seguimos Jesus no pobre e no que sofre, estamos a viver a experiência da vida eterna”, completou D. Luis Antonio Tagle.

Foto Agência ECCLESIA/PR, Fátima, Procissão de Velas

Este ano a peregrinação internacional aniversária de maio, do Santuário de Fátima, tem como tema ‘Dar graças por peregrinar em Igreja’ e desafia os católicos a nunca perderem esta consciência de que são a comunidade dos filhos de Deus.

As cerimónias na Cova da Iria contam com cerca de 300 mil peregrinos no recinto, entre os quais se mais de 200 grupos de peregrinos inscritos, provenientes de 40 países, adianta o Santuário.

O presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, também assistiu às cerimónias da noite do dia 12 de maio.

Em peregrinação a pé, provenientes dos mais variados pontos do país, chegaram a Fátima mais de 30 mil peregrinos, com os serviços de apoio do Santuário a registarem pelo menos 264 atendimentos nos postos de socorro; 596 peregrinos para o Lava-pés e a admissão de 216 doentes.

No que toca aos membros do clero, o Santuário adianta que marcam presença nas celebrações 218 sacerdotes, 17 bispos e 3 cardeais.

A peregrinação internacional deste ano dos dias 12 e 13 de maio reforça a atenção do Santuário de Fátima aos peregrinos provenientes do continente asiático, cujo número tem vindo a crescer progressivamente, o que se tem refletido também na presidência das celebrações, que demonstra uma aproximação à Ásia.

Só nos primeiros meses de 2019, e estes são apenas os números registados no Serviço de Apoio ao Peregrino do santuário mariano português, acorreram à Cova da Iria quase dois mil peregrinos asiáticos, com destaque para países como a Coreia do Sul, o Sri Lanka e também as Filipinas.

Em 2018, o cardeal John Tong, bispo emérito de Hong Kong, foi o primeiro responsável católico chinês a presidir a uma peregrinação internacional aniversária em Fátima, e em outubro as cerimónias contaram com a presença do bispo de Hiroxima, no Japão, D. Alexis Mitsuru Shirahama.

Para outubro deste ano, está prevista a vinda a Fátima do arcebispo de Seul, na Coreia do Sul, o cardeal Andrew Yeom Soo-Jung.

JCP

Partilhar:
Share