Cardeal Sérgio da Rocha incentivou à oração, à «presença amiga» e à «solidariedade» por todos os necessitados e fragilizados

Foto: Lusa

Fátima, 13 out 2021 (Ecclesia) – O cardeal Sérgio da Rocha, presidente da peregrinação internacional  do 13 de outubro, lembrou hoje na Cova da Iria os que “mais sofrem” com a pandemia de Covid-19, animando os peregrinos à oração, à “presença amiga e solidariedade” com quem sofre.

“Trazemos as orações de todos ao altar do Senhor, confiantes na intercessão materna de Nossa Senhora de Fátima, rezando pelos que mais sofrem as consequências da pandemia, os enfermos, os pobres, as famílias enlutadas e todos os que se encontram mais fragilizados”, disse o arcebispo de Salvador da Bahia e primaz do Brasil, no recinto de oração do Santuário de Fátima.

O cardeal brasileiro lembrou, “com especial estima e gratidão”, os profissionais de saúde, todos os que cuidam dos doentes nos hospitais e em casa, com “dedicação e generosidade”, e pelos que se dedicam à “vacinação portadora de esperança”.

“Reconhecemos com louvor a Deus e gratidão os passos que têm sido dados na superação da pandemia, mas precisamos continuar a cuidar da vida e da saúde com responsabilidade”, acrescentou na sua homilia.

O arcebispo de Salvador da Bahia  disse aos peregrinos que quem recorre a Nossa Senhora não pode “ficar indiferente aos sofrimentos do próximo”, especialmente do mais necessitado e fragilizado, que espera “oração, presença amiga e solidariedade”.

A partir das leituras da celebração, o cardeal Sérgio da Rocha destacou que o “profundo respeito e o zelo” pelo templo edificado com pedras deve ser acompanhado da “mesma atitude por cada pessoa e por cada comunidade eclesial”.

A vida, a dignidade de cada pessoa necessitam ser reconhecidas, defendidas, promovidas, pelos que oram no templo e pelos que formam o templo vivo do Senhor, sem excluir ninguém de nosso amor fraterno”.

 

Foto: Santuário de Fátima

O presidente da peregrinação assinalou que tinham a “alegria” de celebrar o aniversário da dedicação da Basílica de Nossa Senhora do Rosário, que “leva a olhar” para o “santuário vivo do Senhor, que é o seu povo santo, que é a Igreja-comunidade”.

O responsável católico o referiu também que realizam esta peregrinação “muito unidos ao querido Papa Francisco”, rezando por ele e acolhendo os seus ensinamentos.

Esta manhã, o Papa evocou no Vaticano a aparição do 13 de outubro, em Fátima, convidando os católicos à recitação diária do terço, falando aos peregrinos reunidos para a audiência pública semanal, no Auditório Paulo VI.

A Peregrinação Internacional Aniversária de outubro, em Fátima, que evoca o Milagre do Sol, realizou-se sem limites de lotação, pela primeira vez desde o início da pandemia, e o santuário mariano informa que se inscreveram 48 grupos de 15 nacionalidades diferentes, a maioria da Europa (nomeadamente de Portugal, com 19 grupos inscritos).

CB/OC

Partilhar:
Share