«Altar de sabedoria», são um testemunho de «oração constante» e diálogo geracional

Lisboa, 26 jul 2018 (Ecclesia) –  O Papa Francisco e a Igreja Católica em Portugal associaram-se à celebração do do Dia dos Avós, que se assinala anualmente a 26 de julho, memória litúrgica de São Joaquim e de Santa Ana,

“Os avós são um tesouro na família. Por favor, cuidem dos avós, amem-nos e façam com que conversem com as crianças!”, escreveu o pontífice na sua conta ‘@pontifex’, para milhões de seguidores na rede social Twitter.

A Comissão Episcopal do Laicado e Família (CELF), da Conferência Episcopal Portuguesa, por sua vez divulgou uma  mensagem para esta data, apresentando os avós como “altar da sabedoria”.

“Esquecer os avós é fazer tábua rasa da memória da nossa própria história familiar, das virtudes e defeitos que nos correm no sangue”, assinalam os bispos numa mensagem enviada à Agência ECCLESIA por ocasião do dia dos avós, que se celebra anualmente a 26 de julho, na memória litúrgica de São Joaquim e Santa Ana, pais da Virgem Maria.

A nota lamenta que os avós, entendidos como “uma graça” e um “altar de sabedoria”, nem sempre sejam valorizados.

“Livres da pressa e do rendimento do trabalho, ensinam-nos a apreciar as coisas com gratidão e sabedoria. Marcados pela vida, guardam na memória ensinamentos do passado que previnem erros do futuro”.

Testemunho de “oração constante e de resistência pacífica”, os avós podem significar, nalguns quadros familiares, a “ligação ou corrente de transmissão de valores e experiências”.

“Não fossem os avôs e avós, e muitas das nossas crianças e adolescentes estariam entregues a si próprios no que respeita à catequese, à oração e à vida cristã”, pode ler-se.

Os bispos católicos pedem26 que se valorize o papel dos avós, que transportam “dádiva”, “experiência e a sabedoria do encontro e diálogo de gerações”.

“Que os avós se sintam valorizados e a sociedade lhes reserve um lugar na vida comum”, assinala a mensagem, que termina com palavras de “merecida homenagem” aos que dão “os primeiros rudimentos da fé, os abraços mais generosos e o testemunho da mais bela sabedoria”.

LS/OC

Partilhar:
Share