Presidente da Conferência Episcopal disse não encontrar «lógica» no debate parlamentar quando tantos se esforçam por «ajudar a viver»

Fátima, 11 nov 2020 (Ecclesia) – O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) afirmou hoje em Fátima que a legalização da eutanásia é contrária a uma “sociedade mais humana”, defendendo como alternativa a oferta de “condições e razões para viver”.

“Não são as soluções facilitadoras e ‘legalizadas’ que ajudarão a criar uma sociedade mais humana. O que é preciso é acompanhar e oferecer condições e razões para viver”, referiu D. José Ornelas, no discurso de abertura da Assembleia Plenária da CEP, que decorre até sexta-feira.

O bispo de Setúbal manifestou “respeito” pelo “drama de quem sofre”, sublinhando que não é sua intenção “condenar ninguém pelas atitudes tomadas em consequência da dor, da falta de sentido, de condições e de esperança”.

“O que essas pessoas precisam não é de mais condenação nem de estigmas”, acrescentou.

O presidente da CEP questionou a “lógica” de trazer para o debate parlamentar a legalização da eutanásia “no meio dos sacrifícios e esforços das instituições e pessoas, a começar pelo Serviço Nacional de Saúde e pelos profissionais, que têm sido de uma abnegação que ficará na memória e no coração de todos nós, quando tantos e com total dedicação se esforçam por dar razões e condições para ‘ajudar a viver’”.

Não encontro lógica no facto de se escolher precisamente este momento para dizer aos que tocam o mais fundo da dor e do abandono: ‘tem coragem, ajudamos-te a morrer; estamos a caminho de aprovar uma opção que aceita a tua eutanásia’”.

No dia 23 de outubro, a Assembleia da República Portuguesa rejeitou a iniciativa popular para promover um referendo à eutanásia, que recolheu mais de 95 mil assinaturas.

A 20 de fevereiro deste ano, a Assembleia da República aprovara, na generalidade, os cinco projetos de lei  – BE, PS, PAN, PEV e Iniciativa Liberal – que preveem a legalização da eutanásia em Portugal; o debate do diploma na especialidade prosseguirá, agora, no grupo de trabalho criado para o efeito na comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias.

Foto Agência Ecclesia/PR, Assembleia Plenária da CEP

“Que se tenha retomado esta iniciativa precisamente neste momento e se tenha negado a discussão pública integrada num pronunciamento da vontade do povo, em assunto tão importante e fraturante, não abona a nossa democracia nem a promoção de uma cidadania que se quer participativa e interventiva”, indicou D. José Ornelas.

A 199ª Assembleia Plenária da Conferência Episcopal Portuguesa decorre entre os dias 11 e 13 de novembro, na Casa Nossa Senhora das Dores, em Fátima,

Após a Assembleia Plenária, no sábado, pelas 11h00, os bispos de Portugal vão concelebrar uma Missa de sufrágio pelas vítimas da pandemia em Portugal, em que estará presente também o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o primeiro-ministro de Portugal, António Costa.

No sábado, às 14h30, está prevista a realização de uma conferência de imprensa.

OC/PR

Partilhar:
Share