D. Virgílio Antunes presidiu à Bênção das Pastas no Estádio Cidade de Coimbra

Coimbra, 27 jul 2021 (Ecclesia) – O bispo de Coimbra afirmou que a vocação comum da humanidade é “ser para os outros” e fez este desafio aos estudantes universitários, na Eucaristia da Bênção das Pastas, para os finalistas dos anos letivos 2020 e 2021.

“É importante que tenhais todos os diplomas, os conhecimentos mais alargados, que tenhais entusiasmo e coragem para trabalhar neste mundo mas sempre com mansidão, humildade, paciência, procurando acolher os outros mas sobretudo ser para os outros”, disse D. Virgílio Antunes, na celebração a que presidiu este domingo, no Estádio Cidade de Coimbra.

O responsável católico realçou que dar o que se tem “é uma coisa, ser para os outros é uma realidade bem mais profunda”.

A partir das passagens bíblicas lidas durante a celebração, D. Virgílio Antunes explicou que a expressão “dai-lhes vós mesmos de comer” é de algum modo o desafio para a vida e destacou que pode ter um sentido “muito alargado”, para além do alimento, podem alargar “ao vestuário, à habitação, à saúde”, mas também “à cultura, à fraternidade, a relações adequadas, à justiça, à paz, à preservação do mundo”.

“Desafio-vos a levarem esta frase para a vossa vida com o seu sentido mais alargado: Eu tenho responsabilidade neste mundo; Eu tenho dever de construir e edificar um mundo melhor do que aquele que encontrei. Eu tenho o dever interior, moral, de dar continuidade a um projeto de edificação da humanidade, que tem passado por muitas fases melhores e piores, mas que precisa de ser uma humanidade onde todos se sintam bem, tratados com caridade e tratados com justiça”, desenvolveu.

O bispo de Coimbra realçou que as pessoas não podem ser “simplesmente consumidoras” daquilo que o mundo oferece, “daquilo que os outros produzem”, mas é necessário “trazer uma mais-valia a este mundo, em todos os seus apertos, sem exceção”.

A Bênção das Pastas, que no contexto da pandemia de Covid-19 se realizou no estádio de futebol, em vez da Sé Nova, congregou estudantes da Universidade de Coimbra, das escolas do Instituto Politécnico de Coimbra, Escola Superior de Enfermagem de Coimbra e Instituto Superior Miguel Torga.

“Este é o nosso dia de festa, a festa da bênção das pastas em que sentimos com toda a certeza um conjunto de sentimentos que nos entusiasmam, animam, que nos fazem olhar para a vida e para o mundo com esperança, no desejo de todos sermos construtores de uma realidade maior e mais bela”, disse D. Virgílio Antunes, no início da Eucaristia.

O capelão da Universidade de Coimbra e responsável pela Pastoral Universitária diocesana, padre Paulo Simões, destacou que “não importa o lugar” onde estavam, mas “o espírito e a verdade” com que o fazem, lê-se no sítio online da instituição de ensino superior.

A Bênção das Pastas 2021, da Queima das Fitas de Coimbra, também apoiou o ‘Fundo Solidário NEXT’, do Instituto Universitário Justiça e Paz, a celebração com tradução simultânea em Língua Gestual Portuguesa foi transmitida online.

CB/OC

 

 

 

Partilhar:
Share