Medidas comunitárias entram em vigor na Itália

Cidade do Vaticano, 14 jan 2022 (Ecclesia) – O Vaticano uniu-se hoje aos alertas contra os plásticos de utilização única, no dia em que a Itália implementa a proibição de plásticos não biodegradáveis e não compostáveis, seguindo a legislação comunitária.

O portal de notícias da Santa Sé destaca várias intervenções do Papa e de organismos eclesiais em favor da reutilização de materiais e alertando para o impacto dos plásticos no ambiente.

Na sua encíclica ‘Laudato Si’, de 2015, Francisco dedica um número (211) específico ao tema.

“A educação na responsabilidade ambiental pode incentivar vários comportamentos que têm incidência direta e importante no cuidado do meio ambiente, tais como evitar o uso de plástico e papel, reduzir o consumo de água, diferenciar o lixo, cozinhar apenas aquilo que razoavelmente se poderá comer”, pode ler-se.

“Voltar – com base em motivações profundas – a utilizar algo em vez de o desperdiçar rapidamente pode ser um ato de amor que exprime a nossa dignidade”, acrescenta o Papa.

Em Portugal, desde 1 de julho de 2021, a restauração tradicional deixou de poder usar plásticos de uso único como pratos, talheres, palhinhas, agitadores de bebidas, recipientes para alimentos e para bebidas e copos feitos de poliestireno expandido.

Todos os anos, 13 milhões de toneladas de plástico infiltram-se no oceano, provocando, entre outros danos, a morte de 100 mil espécies marinhas.

Na mensagem para a celebração do Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação, a 1 de setembro de 2019, Francisco alertava para a “considerável presença de plástico e microplástico nos oceanos”.

A 30 de março de 2020, o Vaticano lançou um novo documento sobre a água, ‘Aqua fons vitae’ (água, fonte de vida), no qual desafia as paróquias de todo o mundo a abandonar o uso de garrafas de plástico e a investir em sistemas amigos do ambiente.

OC

 

Partilhar:
Share