«Temos dois andares, onde podem ficar cerca de 30 doentes», explicou o padre Devendra Bhuriya

Covilhã, 27 jan 2021 (Ecclesia) – O Seminário do Verbo Divino em Tortosendo, na Covilhã, Diocese da Guarda, vai abrir as suas portas como “estrutura de retaguarda” para a recuperação de doentes de Covid-19.

O reitor da instituição, padre Devendra Bhuriya, disse hoje à Agência que é preciso “ser solidário” face à pandemia, explicando a decisão de disponibilizar “dois andares onde podem ficar cerca de 30 doentes” em recuperação.

O religioso da Congregação do Verbo Divino em Tortosendo adiantou que se estão “a criar as condições logísticas” e a adaptar a casa para receber os doentes, após a visita do diretor do Hospital da Covilhã, João Casteleiro, e do presidente do município local, Vítor Pereira.

O Centro Hospitalar Universitário Cova da Beira (CHUCB) está a pedir voluntários e a contactar profissionais reformados que possam ajudar no serviço desta estrutura hospitalar de retaguarda, que vai ser uma ‘Unidade de Apoio Pós-Alta’.

“Esta infraestrutura estará dotada com todas as amenidades e condições logísticas, o que lhe permitirá receber utentes com alta clínica, provenientes dos internamentos ‘não covid’ do CHUCB”, informou o centro hospitalar, num comunicado divulgado pela Agência Lusa.

O padre Devendra Bhuriya recorda que, no passado, o seminário em Tortosendo “serviu para muitas coisas, sobretudo a formação dos seminaristas, como escola interna”, e atualmente estão “abertos aos novos sinais e esta pandemia toca a todos”.

“Estamos disponíveis para qualquer ajuda e temos de ser solidários. Devemos ser mais sensíveis e colaboradores à causa humana, à causa social, já temos feito em Guimarães, e agora em Tortosendo”, destacou o sacerdote, de origem indiana.

O reitor lembra que no início da pandemia, em março de 2020, já tinham “mostrado disponibilidade e abertura” para “receber os doentes em recuperação de Covid-19 ao hospital e à Câmara da Covilhã”.

No seminário de Tortosendo vivem sete sacerdotes do Verbo Divino, incluindo um missionário que se preparava para partir rumo à Amazónia.

“Estão motivados, estão com esperança para que venha um tempo melhor para podermos superar esta pandemia, com a colaboração de todos”, adianta o padre Devendra Bhuriya.

Este religioso veio para Portugal “como estudante, para ter uma experiência transcultural, em 1997”, e já trabalhou em vários lugares, como Guimarães, Fátima e Lisboa.

Os missionários do Verbo Divino apoiam oito comunidades do Arciprestado Covilhã – Belmonte e, até ao último fim de semana, antes da suspensão das Missas públicas, estiveram “sempre presentes nas paróquias, a atender as pessoas na área pastoral, na celebração da Eucaristia, nas confissões”.

O padre Devendra Bhuriya conta ainda que, no último ano, “tem aumentado” o número de famílias que precisam de ajuda em Tortosendo.

“Temos a Conferência Vicentina, com a ajuda da junta de freguesia e da Câmara Municipal da Covilhã. Como pároco, tenho andado a distribuir alimentos para as famílias carenciadas”, concluiu o missionário.

CB/OC

Partilhar:
Share