Gesto simbólico vai acontecer às 12h00 de sábado

Lisboa, 21 out 2021 (Ecclesia) – A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a Jornada ‘Memória e Esperança’, que de 22 a 24 de outubro evoca as vítimas da pandemia de Covid-19, convidando as dioceses católicas a associar-se à iniciativa de um grupo de cidadãos.

“As várias Dioceses verão a oportunidade de realizar o gesto do toque dos sinos nas igrejas às 12h00 do sábado, 23 de outubro, conforme sugerido pelos organizadores da Jornada, ou a possibilidade de aderir a outra iniciativa”, refere o Secretariado-Geral da CEP.

“Fazer memória daqueles que nos deixaram, nomeadamente os que foram atingidos pela pandemia, só tem significado no horizonte de esperança que dá sentido à vida”, acrescenta o texto.

A CEP informa que na próxima Assembleia Plenária, de 8 a 11 de novembro, os bispos vão celebrar uma Missa pelas vítimas da pandemia.

D. José Ornelas, presidente da CEP, refere à Agência ECCLESIA a importância de preservar a memória das pessoas queridas e apontar ao futuro, com esperança.

“No meio do drama que foram estes quase dois anos, passados, nós fomos reencontrando valores na humanidade, valores de pessoas que se dedicaram – a começar pelos profissionais de saúde – e que estão a sofrer ainda as consequências da pandemia, em termos de sobrecarga de trabalho, de desgaste a todos os níveis”, indica o bispo de Setúbal.

D. Antonino Dias, bispo de Portalegre-Castelo Branco, publicou uma nota, informando que a diocese vai associar-se à iniciativa da sociedade civil, como sugerido pela CEP, em memórias das pessoas que morreram por causa da pandemia.

“Pedimos aos responsáveis pelas paróquias ou comunidades cristãs, esta ação de esperança, nesse dia e nessa hora, em memória das vítimas covid. Dê-se a conhecer às comunidades cristãs este gesto como sinal da nossa esperança, incluindo até um momento de oração de sufrágio pelos que partiram e de ação de graças pelo dom da vida”, escreve.

Em Lisboa,  os sinos das igrejastambém  vão ressoar, durante três minutos, no próximo sábado, para “recordar as vítimas da pandemia Covid -19, os seus familiares, os profissionais de saúde e todos quantos dedicadamente combateram a pandemia”, explica uma nota da Vigararia Geral do Patriarcado.

O documento recorda a recomendação para que, nas Missas do dia 2 de novembro – Comemoração do todos os fiéis defuntos –, “especialmente se recorde, diante do Altar do Senhor, todos os fiéis que faleceram durante o confinamento”.

A jornada ‘Memória e Esperança’ visa mobilizar a sociedade e suscitar a participação de todas as pessoas e instituições que o desejarem, tendo criado o sítio online memoriaeesperanca.pt.

HM/CB/OC

A 14 de novembro de 2020, a Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) promoveu uma celebração nacional pelas vítimas da Covid-19, na Basílica de Santíssima Trindade, em Fátima.

celebração contou com a presença de 20 bispos católicos, do presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, do primeiro-ministro, António Costa e de várias entidades públicas que se quiseram associar a esta homenagem de oração pelas vítimas, diretas ou indiretas, da pandemia.

A 16 de março deste ano, a CEP promoveu um dia especial de celebrações pelas vítimas da pandemia, associando-se a uma iniciativa da Igreja Católica na Europa, que decorreu ao longo da Quaresma.

A 25 de março de 2020, o cardeal D. António Marto presidiu, em Fátima, a uma oração de consagração de Portugal e Espanha ao Sagrado Coração de Jesus e ao Imaculado Coração de Maria, a que se uniram mais de 20 países, pedindo o fim da pandemia da Covid-19.

Já no último dia 13 de maio, o bispo de Leiria-Fátima presidiu também a outro momento de oração, a recitação do terço, na Capelinha das Aparições, numa etapa da “maratona” de oração promovida pelo Papa, pelo fim da pandemia.

 

Partilhar:
Share