Padre Joaquim Teixeira afirma que a revista possibilita conhecer a “vida desta família religiosa”

Fátima, 28 jan 2020 (Ecclesia) – Os Carmelitas Descalços lançaram o primeiro número da revista “Studia Carmelita”, uma iniciativa da Comissão de Estudos Históricos e Património Cultural da Ordem, que pretende “reavivar a memória histórica” e chegar a um público mais vasto. 

“Trata-se de um sonho antigo da Ordem de reavivar a nossa memória histórica, havia uma lacuna depois da restauração dos Carmelitas em Portugal e depois do 5.º centenário do nascimento de Santa Teresa, em 2015, houve um movimento”, conta o padre Joaquim Teixeira, em declarações à Agência ECCLESIA.

O sacerdote carmelita integra a Comissão de Estudos Históricos e Património Cultural da Província Portuguesa da Ordem dos Carmelitas Descalços (CEHPC-OCD) e esta revista “Studia Carmelita” é fruto de “um longo trabalho desta comissão” que foi “estudando a História da Ordem”.

“Um dos grandes desafios para os frades, que já tinham trabalhos feitos na área, foi disponibilizar o que estava feito, porque temos um arquivista, está tudo documentado e temos cuidado em preservar para o futuro, mas há sempre um receio, no fundo é a vida da família religiosa que é colocada nas mãos de investigadores e que podem ter leituras diferentes de nós, que estamos cá dentro”, refere. 

Os investigadores e estudiosos desta comissão foram “fazendo caminho com os sacerdotes” e a Ordem foi “abrindo os arquivos, dando apoio, oferecendo meios para que houvesse acesso às fontes” e era assim criada uma relação de confiança.

Perderam-se medos e as pessoas que vinham estudar e investigar gostavam, quando nos aproximamos, nos sentamos à mesa, fomos estabelecendo uma relação de confiança e amizade que facilitou todo o trabalho”. 

O padre Joaquim Teixeira considera que esta iniciativa da Ordem é uma “ponte de diálogo com a cultura e o mundo académico” e pode atingir novos públicos.

“A Comissão integra dois jovens carmelitas, a caminho do sacerdócio, e foi curioso ver o seu empenho, eles têm uma sensibilidade para esta área e sabem como é importante descobrir o passado histórico e abrirem-se ao diálogo e parceria com instituições universitárias”, esclarece.

O sacerdote carmelita acrescenta ainda que os dois jovens dão “uma cor especial a este trabalho”, a todos dizem que há futuro e “encantam-se com esta área da vida da Ordem”.

O primeiro número da nova revista, coordenado pelo investigador José João Loureiro e pelo doutor Nuno de Pinho Falcão, reúne estudos de várias áreas, desde a história institucional à arte e à literatura, disponibiliza a transcrição de algumas fontes documentais importantes, além de apresentar nova bibliografia referentes aos Carmelitas Descalços e eventos levados a cabo pela CEHPC-OCD.

A CEHPC-OCD está sediada na Domus Carmeli (Fátima), onde se encontra a sua biblioteca e arquivo, abertos aos investigadores interessados, mediante prévio contacto.

O próximo projeto desta comissão será o II Congresso Internacional A Reforma Teresiana em Portugal: novas abordagens de pesquisa, que decorrerá de 3 a 5 de dezembro de 2020.

SN

Partilhar:
Share