Apesar de ser difícil de compreender o gesto de há dois mil anos D. João Marcos apelou para a aceitação da cruz

Os jovens transportaram a Cruz de Cristo pelas ruas de Beja

Beja, 20 abr 2019 (Ecclesia) – D. João Marcos recordou, esta sexta-feira na celebração da paixão do Senhor, que os cristãos batizados não podem esquecer a «sabedoria da Cruz» e o «grande valor» de dar a vida por alguém.

“Temos de reconhecer que, infelizmente, é desconhecida por um grande número de pessoas batizadas na Igreja Católica, a sabedoria da Cruz!

Somos cristãos. Ao sermos batizados fomos mergulhados na morte de Cristo. Morremos com Ele e com Ele fomos sepultados. A vida que temos agora vivemo-la na fé de Cristo morto e ressuscitado, e orientamo-nos por esta sabedoria misteriosa, oculta a quem vive segundo a carne”, disse na sua homilia.

O bispo de Beja lembrou ainda que é difícil nos dias de hoje compreender aquele gesto de há dois mil anos, de “Jesus carregar com os pecados do mundo inteiro, de todos os tempos e lugares” e como “é que a sua salvação pode chegar até nós que vivemos no século XXI”.

O prelado recordou ainda os ditos populares do povo que nem sempre se podem considerar.

“Amor com amor se paga, diz o nosso povo. A única verdade, para nós, é amar Jesus Cristo. Tudo o resto é vaidade e corrida atrás do vento. A moral cristã é uma moral de resposta: amemos, porque Ele nos amou primeiro”, sustentou.

D. João Marcos deixou, no fim da sua homilia, uma dica para a vivência dos cristãos.

“Lembra-te também de que a Cruz se pode aceitar e viver de cima para baixo e de baixo para cima. De cima para baixo esmaga-te, leva-te a um túmulo, ou seja, ao velho Adão; de baixo para cima liberta-te, leva-te ao Céu e abre os teus braços para acolher os irmãos, assim como são, sem os escolheres”, concluiu.

SN

Partilhar:
Share